Empresas continuam a operar, mas têm de proteger trabalhadores

O Governo vai permitir que as empresas continuem as suas operações desde que cumpram as recomendações da DGS e que garantam a proteção dos trabalhadores.

A implementação do estado de emergência por parte do Governo vai permitir que a maior parte das empresas que não têm atendimento ao público, como fábricas, continuem a operar, mas estas vão ter de assegurar o cumprimento das recomendações das autoridades de saúde e proteger os seus trabalhadores.

Na conferência de imprensa desta quinta-feira, 19 de março, após uma longa reunião do conselho de ministros, o primeiro-ministro, António Costa, revelou quais as medidas concretas que vai aplicar tendo em conta a declaração de estado de emergência feita ontem pelo Presidente da República, após a aprovação na Assembleia da República. Por exemplo, o atendimento ao público fecha exceto nas áreas essenciais e idosos e doentes ficam obrigados a manter-se em casa.

Quanto às empresas sem atendimento ao público, a regra geral é que podem continuar a trabalhar. Ou seja, “devem manter a sua atividade normal”, exceto nos casos como o de Ovar onde foi declarado o estado de calamidade. No entanto, estas empresas terão de cumprir as recomendações da Direção-Geral da Saúde quanto ao distanciamento social e as medidas de higiene do local de trabalho, protegendo a saúde individual dos seus trabalhadores.

“Todas as empresas que se pretendam manter em laboração têm de assegurar os níveis de proteção”, afirmou o primeiro-ministro, referindo que as empresas em questão têm de adquirir os bens de proteção individual. António Costa revelou também que “as cantinas e refeitórios manter-se-ão em funcionamento mas terão de cumprir as normas especiais que existem sobre higiene e afastamento social“. No caso dos estabelecimentos comerciais que ficarem abertos devem atender ao público “à porta ou ao postigo”.

Questionado pelo ECO sobre se vai ser assegurado o acesso das empresas a esses bens, o primeiro-ministro respondeu que o Estado não é produtor de bens de proteção individual pelo que as empresas terão de recorrer ao mercado onde “há um conjunto de empresas, até nacionais, que estão a produzir [esses bens]”. E deu o exemplo do Estado que também está a adquirir esse material para os profissionais de saúde, cuja proteção é a prioridade neste momento.

E repetiu: “Todas as empresas que pretendam manter-se em laboração têm de assegurar os níveis de proteção individual adequados à respetiva atividade de forma a que a proteção dos seus trabalhadores não seja posta em causa“, pediu Costa aos empresários.

Reunidos no Palácio da Ajuda, onde há mais espaço para evitar a proximidade física entre os governantes, o Executivo assume desta forma os poderes alargados que lhe foram conferidos pelo decreto do Presidente da República, aprovado no Parlamento esta quarta-feira, com vista à contenção da pandemia do coronavírus no país. “A preocupação é assegurar a máxima contenção e o mínimo de perturbação”, justificou o primeiro-ministro, António Costa, numa conferência de imprensa no final da reunião.

(Notícia atualizada às 19h com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas continuam a operar, mas têm de proteger trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião