Investimento em certificados cresce 421 milhões em fevereiro

Tanto Certificados do Tesouro como Certificados de Aforro captaram mais poupanças dos aforradores, em fevereiro. Este aumento segue-se o arranque do ano ter sido de quebra.

O investimento das famílias em certificados cresceu em fevereiro. Os produtos de poupança do Estado captaram mais 421 milhões de euros no mês passado, sendo que tanto os Certificados do Tesouro como os Certificados de Aforro captaram mais poupanças dos aforradores. Este aumento segue-se o arranque do ano ter sido de quebra.

De acordo com o boletim estatístico do Banco de Portugal divulgado esta quinta-feira, em fevereiro, o investimento nestes produtos de poupança do Estado subiu em 421 milhões de euros. Ao contrário do que tem vindo a acontecer, ambos os produtos de poupança do Estado aumentaram o montante líquido.

No caso dos Certificados do Tesouro, o montante nas mãos dos aforradores em Portugal totalizava, em fevereiro, os 16.760 milhões. O valor representa uma subida de 402 milhões face a janeiro. Já no que diz respeito aos Certificados de Aforro, totalizavam os 12.070 milhões em fevereiro, mais 19 milhões que no mês anterior.

Tudo somado, o investimento dos aforradores portugueses em produtos de poupança do Estado ascendia a 28.830 milhões de euros no final do mês passado.

O Tesouro português espera obter junto das famílias poupanças líquidas (após amortizações) de apenas 150 milhões de euros. De acordo com o plano de financiamento incluído no Orçamento do Estado para 2020, serão emitidos 3.454 milhões de euros em Certificados do Tesouro, esperando-se amortizações no mesmo montante. Já os Certificados de Aforro deverão “captar” 797 milhões, com as amortizações a atingirem 649 milhões.

Certificados do Tesouro voltam a dar contributo positivo

Fonte: Banco de Portugal

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investimento em certificados cresce 421 milhões em fevereiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião