Covid-19 dita o fim da edição impressa da Playboy

Playboy não resistiu ao surto do covid-19 e anunciou que a revista vai deixar de ser editada em versão papel. A edição da primavera será a última do ano nos EUA.

 

O coronavírus ditou o fim da edição impressa da revista fundada há 66 anos por Hugh Hefner. A Playboy anunciou esta quinta-feira que a edição da revista vai passar a ser exclusivamente em versão digital.

“Face aos condicionamentos decidimos que a edição da primavera 2020, que chegará aos quiosques norte-americanos e em formato digital na próxima semana, será a nossa última edição impressa”, explica o CEO da Playboy Enterprises, Ben Koh.

“Na semana passada, à medida que se tornava cada vez mais clara a disrupção que o a pandemia do coronavírus causaria à nossa produção de conteúdos e à cadeia de distribuição, fomos forçados a acelerar uma conversa que andávamos a ter internamente”, escreveu Ben Koh, CEO da empresa Playboy Enterprises, numa carta aberta publicada na plataforma Medium.

O ano passado, a revista norte-americana deixou de ter uma periodicidade mensal nos EUA para passar a ser trimestral. Com a queda nas vendas e com esta pandemia que já infetou mais de 245.000 pessoas em todo o mundo, a revista fundada por Hugh Hefner passa a ser exclusivamente um conteúdo digital.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Covid-19 dita o fim da edição impressa da Playboy

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião