Empresa distribuidora do Pingo Doce está a contratar entre 200 a 300 pessoas

  • ECO
  • 20 Março 2020

A pandemia do Covid-19 provocou um aumento da procura nos sites de retalho. A empresa distribuidora do Pingo Doce está a contratar entre 200 a 300 pessoas.

Após ser decretado o estado de emergência como forma de contenção do Covid-19, os portugueses viram restringidas as suas saídas ao exterior. Apesar das idas aos supermercados continuarem a ser possível, a empresas de retalho tem verificado um aumento das compras nos sites online. A distribuidora do Pingo Doce procura entre 200 a 300 pessoas para responder procura, segundo avançou a TSF.

Face a este aumento, as empresas não têm mãos a medir e já ponderam contratar mais mão de obra. A Mercadão, que assegura as entregas ao domicílio do Pingo Doce, revelou que os pedidos “triplicaram” e assegura que vão reforçar a equipa com mais 200 a 300 pessoas, segundo a TSF.

“A nossa equipa tem cerca de 150 pessoas, contudo não é suficiente para fazer face aquilo que tem sido a procura extraordinário que estamos a registar”, referiu Gonçalo Soares da Costa, diretor executivo da Mercadão, à TSF. A Mercadão pondera ainda assegurar a distribuição dos pedidos através de plataformas como a Uber. Superfícies comerciais como Auchan e Continente também estão a sentir o impacto do Covid-19 nas suas plataformas online.

No Continente Online, o surto de coronavírus fez a procura quadruplicar e já só é possível agendar entregas para meados de abril. No Auchan, entrar no próprio site é complicado, já que 70 mil pessoas, em média, têm tentado fazer compras ao mesmo tempo. De notar que, mesmo em estado de emergência, os supermercados (físicos) mantém-se abertos.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresa distribuidora do Pingo Doce está a contratar entre 200 a 300 pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião