Salário do patrão do Pingo Doce subiu em 2019. Voltou a ganhar mais de dois milhões de euros

O total recebido subiu 8,8% face aos 1,9 milhões que Pedro Soares dos Santos tinha recebido em 2018. O salário médio dos trabalhadores do grupo aumentou 3%.

O salário do CEO da Jerónimo Martins, Pedro Soares dos Santos, aumentou no ano passado. O patrão da retalhista, que inclui a cadeia Pingo Doce, voltou ao restrito grupo de gestores que ganharam mais de dois milhões de euros. Entre remunerações fixas e variáveis, Soares dos Santos recebeu 2,07 milhões de euros.

O salário fixo do gestor fixou-se em 685 mil euros no ano passado, segundo revela o relatório e contas divulgado esta sexta-feira. Dividindo por 14 meses, o montante equivale a cerca 49 mil euros por mês. A este valor, acrescem ainda 1,08 milhões de euros de componente variável — atribuída e paga em 2019, na sequência da avaliação de desempenho no exercício de 2018 –, bem como 306.395,81 para o plano de pensões de reforma.

Feitas as contas, o salário fixo do líder do dono do Pingo Doce pagou 33% dos ganhos totais do gestor, com a remuneração variável e o contributo para o PPR a pagarem os restantes 67%. O total de 2,07 milhões de euros representa uma subida de 8,8% face aos 1,9 milhões que Pedro Soares dos Santos tinha recebido em 2018. O salário médio dos trabalhadores do grupo aumentaram 3% no mesmo período.

Este crescimento aconteceu num ano em que a Jerónimo Martins lucrou 433 milhões de euros, um aumento de 7,9% face ao alcançado no ano anterior. Além do CEO, também os trabalhadores receberam prémios graças a este resultado.

“Criámos 6.868 postos de trabalho, o que representa um aumento líquido de 6,3% comparativamente a 2018. Proporcionámos ainda 757 estágios em contexto real de trabalho nas diferentes companhias do grupo. Foram atribuídos 137 milhões de euros em prémios aos colaboradores, um aumento de 24% face a 2018, e 13.663 colaboradores foram promovidos, representando um aumento de 14% face a 2018″, refere ainda o relatório e contas.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Salário do patrão do Pingo Doce subiu em 2019. Voltou a ganhar mais de dois milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião