Centros comerciais preparados para manter abertos apenas serviços essenciais

  • Lusa
  • 21 Março 2020

Os centros comerciais vão manter em funcionamento serviços como hipermercados, farmácias, papelarias, lojas de jornais e tabaco, eletrónica e produtos alimentares.

Os centros comerciais estão preparados para cumprir as regras do Governo após declaração do estado de emergência devido à covid-19 e manter abertos os hipermercados, farmácias e outros serviços essenciais, assegurou este sábado a associação do setor.

Em comunicado, Associação Portuguesa de Centros Comerciais (APCC) refere que os seus associados estão preparados “para cumprir, a partir das 00:00 deste domingo, as novas medidas decretadas pelo Governo, ajustando a sua operação” para manter em funcionamento serviços como hipermercados, farmácias, papelarias, lojas de jornais e tabaco, eletrónica e produtos alimentares.

Entre os serviços considerados prioritários, contam-se todas as lojas e superfícies relacionadas com a alimentação, entre supermercados, hipermercados, padarias e estabelecimentos de restauração e bebidas, mas sem consumo nos centros, apenas para ‘take away’ ou entrega ao domicílio, enumera a APCC.

Todos os estabelecimentos que forneçam serviços médicos, de produtos médicos e ortopédicos, de produtos cosméticos e de higiene, de produtos naturais e dietéticos, farmácias, parafarmácias e oculistas poderão, igualmente, manter-se abertos.

Em funcionamento podem manter-se, igualmente, as lojas de serviços postais, de jogos sociais, papelarias e tabacarias, assim como clínicas veterinárias, estabelecimentos de venda de animais de companhia e respetivos alimentos.

As lavandarias, lojas de venda de flores, plantas, sementes e fertilizantes, drogarias, lojas de ferragens e de venda de material de bricolage, lojas de venda e reparação de eletrodomésticos, equipamento informático e de comunicações, também podem continuar abertas.

O mesmo se passa com os estabelecimentos de manutenção e reparação de veículos automóveis e motociclos, de tratores e máquinas agrícolas, bem como venda de peças e acessórios e serviços de reboque. Os serviços bancários, financeiros e de seguros também podem manter-se em funcionamento nos centros comerciais.

“Os centros comerciais continuarão a assegurar o cumprimento de todas as medidas de higiene e segurança recomendadas pelas autoridades”, lê-se na nota da associação, que aponta como prioridade “garantir a segurança de visitantes, lojistas, colaboradores e fornecedores”.

Portugal encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de quinta-feira, depois de a Assembleia da República ter aprovado na quarta-feira o decreto que lhe foi submetido pelo Presidente da República, com o objetivo de combater a pandemia da covid-19, após a proposta ter recebido pareceres favoráveis do Conselho de Estado e do Governo. O estado de emergência proposto pelo Presidente prolonga-se até às 23:59 de 2 de abril.

Portugal elevou este sábado para 12 o número de mortes associadas ao vírus da covid-19, o dobro face a sexta-feira, segundo o boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS), que regista 1.280 casos confirmados de infeção. Segundo a DGS, há 156 doentes internados, 35 dos quais em cuidados intensivos. A grande maioria (1.124) está a recuperar em casa.

O novo coronavírus já causou pelo menos 11.401 mortos em todo o mundo e foram detetados mais de 271.660 casos de infeção em 164 países e territórios. Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centros comerciais preparados para manter abertos apenas serviços essenciais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião