“Prioridade é agora pagar e processar todos os salários em Portugal”, diz CEO do Novo Banco

Para o CEO do Novo Banco, o cenário atual "exige muito da banca a operar entre elogios e incompreensões, internas e externas".

O CEO do Novo Banco defende que a prioridade nesta altura, em que Portugal se encontra em estado de emergência devido à pandemia de coronavírus, é “pagar e processar todos os salários em Portugal na próxima semana”, num tweet publicado na sua conta pessoal.

“Com três meses de cenário central a chave agora é preparar o novo normal”, aponta o presidente do Novo Banco, na publicação. Para António Ramalho, a situação “exige muito da banca a operar entre elogios e incompreensões, internas e externas”, algo que diz ser “típico da guerra”.

O primeiro-ministro já referiu algumas vezes o papel da banca durante esta pandemia, nomeadamente apontando que o setor foi ajudado na última crise e que tem, por isso, uma responsabilidade social de dar apoio agora.

A banca tem estado em negociações com o Governo para definir os contornos de moratórias de créditos, e o ministro das Finanças adiantou que a legislação para a concretizar, para as empresas afetadas pela pandemia, estaria pronta até ao final do mês. A Caixa Geral de Depósitos e o BPI já anunciaram medidas nesse sentido.

Os bancos terão algumas preocupações com este modelo, nomeadamente sobre os impactos que as moratórias possam ter nos seus rácios de capital. Nesta sexta-feira, Banco Central Europeu decidiu flexibilizar as regras do crédito concedido pela banca para combater o Covid-19, facilitando este processo.

O Novo Banco também já lançou um pacote de produtos e serviços ajustados para fazer face à pandemia, nomeadamente isentar algumas comissões, nas transferências interbancárias, pagamentos de serviços, cash-advance e transferências MBWay, ou a primeira anuidade nos novos cartões de débito e pré-pago ou substituições.

(Notícia atualizada às 17h25)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Prioridade é agora pagar e processar todos os salários em Portugal”, diz CEO do Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião