Empresas estimam quebras de 20%. Querem que Estado pague a horas

  • Lusa
  • 23 Março 2020

As empresas inquiridas pela CCIP estimam que a pandemia do coronavírus leve a quebras de 20% nas vendas. Pedem menos impostos ao Estado e pagamentos a horas.

As empresas portuguesas estimam quebras nas vendas de cerca de 20% por causa do surto de Covid-19 e pedem ao Estado a redução de impostos e que efetuem os pagamentos a horas, segundo um inquérito da CCIP.

Em comunicado, a Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa (CCIP) adiantou que levou a cabo um inquérito sobre o impacto do coronavírus na atividade empresarial dos seus associados e que os resultados “são preocupantes: quebra nas vendas, problemas de liquidez e dificuldade de pagamentos de salários”.

Os resultados do inquérito, realizado a 161 empresas, mostram que “mais de 68% das empresas inquiridas sentem um impacto negativo ao nível das vendas no mercado nacional”, sendo que 57,7% “estima que o declínio das vendas em 2020 possa ser superior a 20%”. No caso das microempresas a expectativa é ainda maior, com 72,4% a prever “uma quebra de 20% nas vendas”, de acordo com a CCIP.

Tendo em conta estes resultados, “as empresas pedem a implementação de várias medidas e destacam a importância das empresas públicas e Estado pagarem a horas. Os tempos médios de pagamento em Portugal têm vindo a diminuir, no entanto o Estado demora em média 75 dias a pagar a fornecedores, quando a média europeia é de 42 dias”, assegurou a organização.

No inquérito, as empresas indicam como fatores que mais podem prejudicar a atividade empresarial a diminuição da procura (78,8%), problemas de tesouraria (55,9%), quebra na produção (35,4%), restrições de viagens (36,6%) e cancelamento de feiras (34,1%), destacou a CCIP. Além disso, as organizações inquiridas estão “igualmente preocupadas com a falta de liquidez e 23,1% dos inquiridos referem que não conseguem resistir mais de 30 dias sem receber um apoio para as necessidades de tesouraria”.

Paralelamente, 30% das empresas diz “não estar em condições de cumprir com as obrigações salariais e fiscais de março e abril”.

Este inquérito recolheu respostas de 161 empresas, de diversos setores de atividade, como o comércio (16,2%), indústria (18,6%) e serviços (65,2%) entre 18 e 22 de março, revelou a entidade.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 341 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 15.100 morreram. Em Portugal, há 23 mortes e 2.060 infeções confirmadas, segundo o último balanço da Direção-Geral da Saúde.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas estimam quebras de 20%. Querem que Estado pague a horas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião