Farmácias denunciam preços elevados e pedem intervenção do Governo

Para adquirirem máscaras, gel desinfetante, paracetamol ou termómetros "as farmácias têm de pagar preços especulativos e, mesmo assim, não conseguem adquirir quantidade suficiente", alerta a ANF.

A Associação Nacional das Farmácias (ANF) escreveu uma carta ao primeiro-ministro, António Costa, a solicitar a intervenção do Executivo na regulação de preços de produtos essenciais, como máscaras ou gel desinfetante, para combater o novo coronavírus em Portugal.

Na missiva, a associação alerta para os preços praticados por “empresas de ocasião”, no que diz respeito a “máscaras, gel desinfetante, paracetamol, termómetros, matéria-prima para manipulados e equipamento de proteção individual” que “desapareceram quase totalmente das farmácias”, lê-se no comunicado divulgado esta terça-feira pela ANF.

Para adquirirem esses produtos, “as farmácias têm de pagar preços especulativos e, mesmo assim, não conseguem adquirir quantidade suficiente”, alertam.

Além disso, a associação, que representa 2.750 farmácias, revela que entregou ainda um documento com 100 páginas à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) com “faturas e propostas comerciais apresentadas às farmácias por dezenas de empresas nacionais e importadoras, na sua maioria estranhas ao mercado de produtos farmacêuticos”.

A título de exemplo, a ANP relata que frascos de 3ml podem chegar a custar 5 euros, máscaras entre 7 euros e 38 euros, “garrafões de cinco litros de desinfetante a 79 euros e termómetros a 97 euros”.

Face à situação em que o país se encontra, a associação recomendou às farmácias suas associadas que “pratiquem margens de comercialização até ao limite de 17,5%, que se aplica aos medicamentos sujeitos a receita médica comparticipados”, aponta.

O novo coronavírus chegou a Portugal a 2 de março e tem-se verificado um maior afluxo dos portugueses às farmácias para comprar máscaras, álcool ou gel desinfetante, chegando a estar esgotado em alguns estabelecimentos. Em Portugal há 2.362 casos confirmados de Covid-19, sendo que o número de mortes subiu esta terça-feira para 33.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Farmácias denunciam preços elevados e pedem intervenção do Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião