Lucro da Vista Alegre sobe 3% em 2019 para 7,5 milhões de euros

  • Lusa
  • 26 Março 2020

O resultado líquido da Vista Alegre "teve um crescimento de 3%, face ao mesmo período de 2018, situando-se positivo em 7,5 milhões de euros", informou em empresa, em comunicado enviado à CMVM.

O resultado líquido da Vista Alegre subiu 3% no ano passado, face a 2018, para 7,5 milhões de euros, anunciou esta quinta-feira a marca portuguesa de porcelana e cristalaria.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a Vista Alegre refere que o grupo “registou um resultado operacional de 14,3 milhões de euros, superior em 26% ao período homólogo de 2018, e o resultado líquido teve um crescimento de 3%, face ao mesmo período de 2018, situando-se positivo em 7,5 milhões de euros”.

O volume de negócios aumentou 21% para 120 milhões de euros e o resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) progrediu 43% para 25,6 milhões de euros.

O mercado externo representa atualmente 72,5% do volume de negócios da Vista Alegre, com 87,1 milhões de euros de vendas, o que representa um incremento de 5,3 pontos percentuais face ao período homólogo”, adianta a empresa.

“Este aumento é justificado pelo crescimento do volume de negócios nos mercados europeus, nomeadamente em França, Holanda e Itália, países com maiores crescimentos”, enquanto o “mercado interno teve um valor de vendas de 33 milhões de euros, suportado pelo negócio das lojas próprias e canal HoReCa [Hotéis, Restaurantes e Cafés]”, acrescenta o grupo.

A marca sublinhou que as novas parcerias dinamizam o negócio e a sua reputação, apontando a “formalização de um acordo no valor de 13,7 milhões de euros relativo à criação de uma linha com seis peças diferentes com a marca MasterChef, no último trimestre de 2019”.

O grupo refere, no que respeita à sustentabilidade, que “mais de 95% dos desperdícios são reutilizados/reciclados nos produtos como matérias-primas, ou são reintroduzidos pelos fornecedores noutros materiais cerâmicos (pavimento e revestimento, sanitários)”.

A Vista Alegre sublinha que os resultados de 2019 “revelaram um excelente desempenho”, apontando que “o desenvolvimento de novos produtos e coleções, assim como a melhoria dos processos produtivos e de inovação tecnológica, bem como a ampliação da capacidade produtiva das suas fábricas têm sido fatores chave para a boa performance operacional” da empresa.

O grupo investiu 23 milhões de euros no ano passado, dos quais quatro milhões de euros no segmento do grés mesa, onde se destaca a conclusão da ampliação da fábrica da Ria Stone; 6,2 milhões de euros no segmento da porcelana, na aquisição de um novo forno de chacota e equipamento específico para automação da carga e descarga e, ainda, “a criação de um novo laboratório único no setor, aportando evolução tecnológica e impactos significativos na qualidade de produto e controlo do processo produtivo assentes nas indústrias 4.0”.

No segmento do cristal e vidro, a Vista Alegre investiu 7,2 milhões de euros “em novos equipamentos, nomeadamente um novo forno de produção de peças de cristal, adoção de novas tecnologias e desenvolvimento de novos materiais, introduzindo no portefólio da unidade produtos diversificados de elevado valor acrescentado”.

No segmento faiança, concluiu a renovação da fábrica da Bordallo Pinheiro com equipamentos de ponta localizados numa maior área fabril totalmente remodelada e ampliada, nomeadamente pela introdução do fabrico de peças em grés.

“No global, os investimentos realizados potenciam o aumento de capacidade produtiva e uma maior eficiência operacional e a redução de custos, reforçando o posicionamento da Vista Alegre como detentora das fábricas tecnologicamente mais avançadas do mundo nos segmentos de mercado de cerâmica, cristal e vidro”, conclui o grupo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucro da Vista Alegre sobe 3% em 2019 para 7,5 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião