OMC avisa que se avizinha uma crise económica pior do que a de 2008

  • Lusa
  • 26 Março 2020

"As projeções mais recentes sobre o impacto da pandemia predizem uma recessão acompanhada de perda de empregos pior do que a registada na crise há 12 anos", alerta Organização Mundial do Comércio.

O diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC) considerou esta quinta-feira que o mundo se está a encaminhar para uma crise económica pior que a de 2008, para a qual se deve preparar com colaboração internacional e mercados abertos.

As projeções mais recentes sobre o impacto da pandemia predizem uma recessão acompanhada de perda de empregos pior do que a registada na crise financeira de há 12 anos”, sublinhou o responsável da OMC, Roberto Azevedo, numa mensagem gravada a partir de casa e divulgada na Internet pelos canais oficiais da OMC.

“A covid-19 ameaça as vidas de milhões de pessoas no mundo e ainda que, acima de tudo seja uma crise da saúde, a pandemia também terá um inevitável impacto na economia, no comércio, nos empregos e no bem-estar”, defendeu o diretor-geral da OMC.

Roberto Azevedo sublinhou que muitos governos estão a introduzir medidas de estímulo orçamental e monetário que aumentarão as defesas face à recessão, mas ao mesmo tempo é necessária “uma resposta global para uma pandemia global”.

“Nenhum país é autossuficiente, por muito poderoso ou avançado que esteja”, sublinhou, numa alusão à necessidade do mercado internacional se manter aberto em momentos de dificuldades.

O comércio “é o que permite uma produção eficiente e o abastecimento de bens e serviços básicos, tais como equipamento médico, alimentos e fontes de energia”, sublinhou o responsável num momento em que muitos países reduziram ou proibiram as exportações de equipamento sanitário, por receio de aumento do preço do mesmo nas suas redes de saúde à beira do colapso.

A OMC foi uma das primeiras agências internacionais com sede em Genebra que registou casos de coronavírus entre os seus trabalhadores, que obrigou a reduzir ao mínimo a sua atividade desde o início deste mês.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 450 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 20.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com cerca de 240.000 infetados, é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 7.503 mortos em 74.386 casos registados até hoje.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OMC avisa que se avizinha uma crise económica pior do que a de 2008

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião