Vem aí uma “recessão profunda”. É esta a receita de Draghi para responder à crise

É preciso agir de forma massiva, abrangente e urgente. A mensagem do antigo presidente do Banco Central Europeu urge Estados a atuarem para evitar consequências ainda mais graves para a economia.

“Uma recessão profunda é inevitável”. O antigo presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, não tem dúvidas sobre o impacto que o surto de Covid-19 vai ter na economia global. Num artigo de opinião publicado no Financial Times (acesso livre), o italiano — que é visto como o salvador do euro — deixa conselhos a Estados, bancos e empresas para enfrentar a nova crise.

“O desafio que enfrentamos é como agir com força e velocidade suficientes para prevenir que a recessão se transforme numa prolongada depressão, aprofundada por uma infinidade de falências que deixem danos irreversíveis”, alerta Draghi.

É preciso agir de forma abrangente e integrada porque “os custos da hesitação poderão ser irreversíveis“. É esta a receita de Mario Draghi para combater a crise económica gerada pelo coronavírus.

  • Governos, endividem-se para manter o emprego

Para o ex-banqueiro central, é “claro” que a resposta deve envolver um “significativo” aumento na dívida pública, considerando que os elevados níveis de endividamento público serão uma nova realidade. “A prioridade não pode ser apenas manter o rendimento básico de quem perca o emprego. Temos de proteger as pessoas de perderem os empregos“, defende.

  • E mobilizem todo o sistema financeiro

Sublinha que, para isso, é preciso apoiar a liquidez das empresas. Draghi acredita que as iniciativas já lançadas não são suficientes e afirma que é preciso uma abordagem mais abrangente. “A única forma eficiente de chegar de forma imediata a toda a economia é mobilizar todo o sistema financeiro“, diz Draghi, referindo-se a mercado de dívida, empréstimos bancários e até o sistema postal.

  • Bancos, emprestem dinheiro a custo zero

Os bancos, em particular, têm a capacidade de chegar a toda a economia e “podem criar dinheiro de forma instantânea” através de linhas de crédito. “Os bancos devem rapidamente emprestar fundos a custo zero às empresas preparadas para salvar empregos”, diz, acrescentando que “o custo das garantias não deve ter por base o risco de crédito da empresa, mas deve ser zero, independentemente do custo de financiamento do Governo que as emite”. O italiano sublinha que a regulação não deverá ser um entrave.

  • Credores, perdoem dívida às empresas

Draghi alerta, no entanto, que não basta que o dinheiro seja barato pois é necessário que as empresas consigam recuperar. E, de forma realista, considera que há empresas que apenas conseguirão absorver o choque da paralisação se beneficiarem de perdão de dívida. Assim, ou os Governos compensam os credores ou estes vão, eles próprios, entrar em dificuldades. Os Estados terão de absorver perdas significativas e as dívidas públicas irão aumentar, mas a alternativa — uma destruição permanente da capacidade produtiva — teria consequências muito piores para a economia, acrescenta Draghi.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vem aí uma “recessão profunda”. É esta a receita de Draghi para responder à crise

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião