Tráfego de comunicações eletrónicas sobe cerca de 50% em Portugal

  • Lusa
  • 27 Março 2020

O tráfego de comunicações eletrónicas tem vindo a aumentar cerca de 50% devido às medidas de combate ao contágio do novo coronavírus.

O tráfego de comunicações eletrónicas tem vindo a aumentar devido às medidas de combate ao contágio do novo coronavírus, com um subida de 47% na voz e 52% nos dados, segundo dados hoje divulgados pelo regulador Anacom.

De acordo com a estimativa da Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom), com os dados mais recentes reportados até 24 de março pelos três maiores operadores — Altice Portugal (Meo), Nos e Vodafone Portugal –, registou-se um acréscimo de 47% no tráfego de voz face ao período anterior à pandemia. Na voz móvel o aumento foi de 41% e na voz fixa a subida de tráfego foi de 94%. Em termos de tráfego de dados, cujo aumento foi de 52%, no móvel o crescimento foi de 24% e no fixo de 54%.

A Anacom refere que, segundo a informação disponível, “registaram-se alterações significativas nos padrões de utilização dos serviços de comunicações eletrónicas”, como o crescimento do tráfego de voz fixa, “que contrasta com a redução verificada em anos anteriores (em 2019 este tipo de tráfego diminuiu 15%)”.

O tráfego de voz fixa estava em queda desde o início de 2013. “Por outro lado, o peso relativo da voz fixa aumenta em relação à voz móvel (que cresce menos do que a voz fixa)”, observa a Anacom. “Acentuou-se igualmente o crescimento do tráfego de banda larga fixa (53,7%), que estava em desaceleração (cresceu 29% em 2019)”.

O regulador liderado por João Cadete de Matos estima que “o tráfego médio por acesso fixo continue a aumentar (era de 131 GB/mês em 2019) e se afaste ainda mais do tráfego médio por acesso móvel (4 GB/mês em 2019), visto que o tráfego de dados móvel está a crescer a taxas inferiores ao tráfego fixo“.

A Anacom destaca que esta evolução está “em consonância com as boas práticas que são recomendadas para prevenir congestionamentos das redes, nomeadamente ‘usar sempre que possível o telefone fixo em detrimento do móvel para fazer chamadas’ e ‘sempre que possível usar a ligação wifi em detrimento da banda larga móvel'”.

De acordo com a informação de alguns prestadores, “o perfil de utilização ao longo do dia não se alterou de forma significativa, notando-se apenas uma maior redução do tráfego às horas das refeições e um aumento generalizado do tráfego no período 07:00-23:00, com um pico às 22:00“, refere. A Autoridade Nacional de Comunicações afirma que “não foram reportados congestionamentos relevantes” e que vai continuar a “exercer ativamente as suas competências e monitorizará permanentemente a situação”.

Isto inclui averiguar “regularmente junto dos operadores como é que o Covid-19 está a impactar nas suas atividades, como está a evoluir o tráfego, se existem situações de congestionamento das redes decorrentes de aumentos da procura, se existem constrangimentos ao nível dos fornecimentos, que medidas estão a ser adotadas, incluindo em termos de proteção de colaboradores que possam ser críticos para as atividades dessas empresas, o tipo de articulação que está ser efetuada com outras entidades, nomeadamente no que respeita à proteção civil, e ainda a forma como se estão a processar as comunicações de emergência”.

No atual contexto, em que há um vasto conjunto de pessoas confinadas no domicílio em regime de teletrabalho e a usar Internet, a Anacom alerta “para as fraudes que a PJ, GNR e Centro Nacional de Cibersegurança estão a detetar“, salientando que “é importante estar atento aos alertas das autoridades e divulgá-los sempre que possível pela rede de contactos, para pôr termo a estas práticas”.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia do coronavírus, já infetou cerca de 540 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 25 mil. Portugal regista hoje 76 mortes associadas à Covid-19, mais 16 do que na quinta-feira, e o número de infetados subiu para 4.268, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde. Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 2 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00h00 de 19 de março e até às 23h59 de 2 de abril.

(Notícia atualizada às 13h25 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tráfego de comunicações eletrónicas sobe cerca de 50% em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião