BCE pede “prudência” à banca no pagamento de dividendos

O BCP foi o primeiro banco português a anunciar um corte na remuneração dos acionistas, tal como fizeram os espanhóis Santander, CaixaBank e Bankia.

Os bancos da Zona Euro, que estão a ser penalizados pelo surto de Covid-19, devem ser prudentes na remuneração dos acionistas. O alerta é feito pelo Banco Central Europeu (BCE), que recomenda às instituições financeiras que acautelem eventuais necessidades de capital devido à pandemia.

Os bancos devem ser prudentes nas decisões que tomam sobre dividendos e ter uma visão virada para o futuro em relação aos riscos para prevenir uma situação em que venham a ter acrescidas necessidades de capital”, alertou o BCE em declarações citadas pela Reuters.

A ideia não é inédita e, numa altura em que a banca está a ser chamada a ajudar a que os estímulos monetários e orçamentais cheguem à economia real, a Federação Europeia de Bancos (EBF, na sigla em inglês) já tinha defendido o mesmo.

“Para 2020, a EBF acredita que os bancos cotados em bolsa não devem distribuir dividendos ou comprar ações em programas de buyback com vista a manter o máximo de preservação de capital. As administrações dos bancos podem decidir a política de dividendos ou a distribuição de algum montante no fim do ano”, pediu a federação, numa carta à entidade de supervisão do BCE.

Há bancos que já deram esse passo, incluindo em Portugal. O BCP anunciou esta quinta-feira que já não vai distribuir dividendos este ano, justificando a decisão com a recente crise provocada pelo surto do coronavírus no país. Em contrapartida, o banco vai compensar os trabalhadores com 5,3 milhões de euros pelos cortes salariais entre 2014 e 2017.

É também o caso do CaixaBank, cuja administração decidiu desconvocar a assembleia-geral prevista para 3 de abril e anunciou que vai reduzir para metade o dividendo proposto para o exercício de 2019.

O Santander cancelou igualmente a remuneração intercalar que deveria entregar aos investidores, ao mesmo tempo que os salários da administração vão ser revistos em baixa. Parte da poupança servirá para criar um fundo solidário para ajudar a combater a pandemia. O Bankia comunicou também que vai rever em baixa o dividendo, mas o valor ainda não é conhecido.

(Notícia atualizada às 12h20)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE pede “prudência” à banca no pagamento de dividendos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião