Em quarentena? Nasceu o Calendall, que reúne os eventos virtuais em tempo de #FiqueEmCasa

Numa altura em que milhões de portugueses são incentivados a ficarem em casa, nasceu uma plataforma que reúne os eventos que vão ser realizados de forma virtual e transmitidos em direto.

Está quase a terminar a primeira semana de quarentena efetiva para milhões de portugueses, forçados a ficarem em casa para travar a pandemia do coronavírus. Mas muitos já acusam aborrecimento, apesar de a palavra de ordem continuar a ser a do isolamento. Foi a pensar nos mais sociais, que anseiam por voltar a ir a um concerto ou a um espetáculo de comédia, que nasceu o Calendall.

“É uma plataforma que acaba de ser lançada em tempo de #FiqueEmCasa e reúne todos os eventos nas redes sociais e outras plataformas online que importa acompanhar nestes dias de pandemia”, informam os promotores do projeto num comunicado. “Tudo o que está a ser transmitido em direto na internet estará disponível no Calendall, de maneira a que os portugueses não percam nada do que mais relevante está a ser produzido ou transmitido”, acrescentam.

O Calendall permite explorar “eventos” em curso ou outros que estejam agendados e que ainda não tenham acontecido. Uma espécie de agenda para que consiga organizar melhor o seu dia sem perder aquela aula de pilates ou o tal concerto virtual de que tinha ouvido falar. Para já, está longe de ter, literalmente, todos os eventos online do país, até porque os promotores têm de se registar e adicionar manualmente os seus eventos. Mas a ambição é a de crescer e ganhar expressão.

No mesmo comunicado, o Calendall recorda que “o número de espetáculos a que hoje é possível assistir no Instagram, Facebook ou Twitter aumentou consideravelmente nos últimos dias, não sendo possível acompanhar a imensidade de propostas que surgem na comédia, música, teatro, exposições, gastronomia ou educação”. Um efeito do isolamento social que tem sido apelo constante das autoridades de saúde.

Para Tiago Tomás, um dos “três responsáveis” pelo projeto, “a dispersão de todos estes acontecimentos exigia uma plataforma que proporcione, num único local, a disponibilização organizada de eventos”. “Além dos artistas mais populares, o Calendall surge para dar visibilidade a milhares de pessoas e a todos aqueles que queiram divulgar os seus eventos e conteúdos em direto”, frisa, citado na mesma nota.

Ao que o ECO apurou, Tiago Tomás é, atualmente, senior product designer da empresa de desenvolvimento KI labs, em Lisboa, somando passagens pela Novabase, onde terá estado envolvido no desenvolvimento da aplicação Via Verde Trasportes, assim como na startup portuguesa Indie Campers, de acordo com o LinkedIn. Por agora, a utilização da Calendall é gratuita, sendo apenas de registo obrigatório.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Em quarentena? Nasceu o Calendall, que reúne os eventos virtuais em tempo de #FiqueEmCasa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião