Maior fabricante de luvas do mundo sem capacidade de resposta. Encomendas “quase duplicaram a capacidade de produção”

Com sede na Malásia, a Top Glove diz que as encomendas que tem recebido quase duplicaram a capacidade de produção da empresa. "Precisamos de cerca de 10% de trabalhadores a mais", diz responsável.

O maior fabricante de luvas cirúrgicas do mundo acredita que não vai ser capaz de dar resposta à forte procura por este produto, numa altura em que os Estados Unidos e a Europa multiplicam as encomendas, numa tentativa de combater o surto do novo coronavírus. A empresa até estendeu o tempo de envio destes produtos para ganhar mais tempo, mas nem isso está a servir para melhorar a situação.

A Top Glove Corporation Bhd, com sede na Malásia, produz uma em cada cinco luvas em todo o mundo, mas nem essa capacidade produtiva lhe vai permitir responder às necessidades dos países, diz a Reuters (conteúdo em inglês). Os pedidos recebidos nas últimas semanas, principalmente vindos da Europa e dos Estados Unidos, quase duplicaram a capacidade de produção da empresa, afirma o presidente executivo da Top Glove, que produz 200 milhões de luvas de borracha natural e sintética por dia.

Top Glove, maior fabricante de luvas do mundoTop Glove

“Alguns clientes entram em pânico”, diz Lim Wee Chai, notando que normalmente são encomendados dez contentores por mês mas, de repente, com este surto de coronavírus, as encomendas chegam aos 20 contentores por mês. “Definitivamente há uma escassez. Os países encomendam-nos 100% a mais do que o normal, mas nós só podemos aumentar em 20% a nossa capacidade, para que haja uma escassez de cerca de 50% a 80%”, continua.

Para lidar com esta forte procura, a empresa até ajustou o prazo de entrega das encomendas de 30 para 150 dias. O objetivo de Lim Wee Chai é assegurar que todos os clientes recebem uma quantidade justa de luvas. “Gerimos o volume e limitamos as compras por cliente”, explica o responsável, acrescentando que estão a ser adquiridas novas máquinas todas as semanas para poder aumentar a produção da fábrica em 30%.

Além disso, a Top Glove está a planear contratar cerca de mil funcionários para acompanhar todo este reforço na produção. Por norma, os trabalhadores são contratados no Nepal mas, devido às restrições nas viagens, serão contratados na Malásia. “Precisamos de cerca de 10% de trabalhadores a mais. Enquanto houver as restrições de viagens, não conseguimos atrair trabalhadores do Nepal. Portanto, não temos escolha, temos de usar alguns trabalhadores locais para nos ajudarem, especialmente no embalamento”, disse Lim Wee Chai, à Reuters.

Top Glove, maior fabricante de luvas do mundoTop Glove

Esta sexta-feira, a Organização Mundial de Saúde (OMS) alertou que a “escassez crónica de equipamentos de proteção individual” está entre as ameaças mais urgentes aos esforços que os países têm levado no combate ao coronavírus. Este momento de procura fora do normal pode prolongar-se por mais três meses, mas espera-se que os pedidos continuem a ser em maiores quantidades durante nove meses, antecipa o responsável da Top Glove.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Maior fabricante de luvas do mundo sem capacidade de resposta. Encomendas “quase duplicaram a capacidade de produção”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião