Tem toda a equipa a trabalhar remotamente? Saiba como continuar a liderar à distância

Manter os trabalhadores motivados e produtivos é fundamental em tempos de crise. Comunicar, delegar e dar autonomia são algumas estratégias para manter os trabalhadores motivados e produtivos.

Uma das respostas de contingência face à progressão do novo coronavírus é a obrigatoriedade de trabalhar à distância. O trabalho remoto está a trazer para as empresas grandes desafios e a obrigá-las a adotar novas formas de trabalhar. Todos estes elementos passam pela liderança que, mesmo à distância, tem a tarefa de garantir que a comunicação é fluida e eficaz e que os trabalhadores continuam motivados e produtivos, garantindo a sustentabilidade do negócio.

Dar autonomia às equipas, comunicar e gerir resultados são algumas estratégias possíveis para garantir a liderança à distância, mas pode ser um equilíbrio difícil de alcançar. A consultora de recrutamento Hays e Robert Walters partilham nove estratégias para facilitar a liderança de profissionais e equipas de trabalho à distância.

  • Dê prioridade às soft skills e confie na sua equipa

A proximidade da chefia é um hábito para a maioria dos trabalhadores e garanti-la remotamente pode ser desafiante. Na hora de recrutar, aconselha a Hays, procure profissionais que sejam automotivados, responsáveis, independentes e bons comunicadores, dando mais prioridade às soft skills. À distância, também é importante dar autonomia e confiar nos trabalhadores.

  • Utilize ferramentas de comunicação

Tire partido de ferramentas de comunicação e gestão de equipas gratuitas, e disponíveis online, tais como o Slack, o Skype, Yammer, Sqwiggle, Microsoft Teams ou o Google Hangouts: podem ajudar a facilitar a partilha de informação com os trabalhadores.

"Dar aos talentos as ferramentas certas, dando-lhes a tecnologia e formação para serem ainda mais eficazes nos seus trabalhos, é fundamental se quiser garantir a produtividade.”

Sandrine Veríssimo

Regional director da Hays Portugal

“Dar aos talentos as ferramentas certas, dando-lhes a tecnologia certa e formação para serem ainda mais eficazes nos seus trabalhos, é fundamental se quiser garantir a produtividade”, comenta Sandrine Veríssimo, regional director da Hays Portugal.

“É de vital importância que a realização e participação neste tipo de reuniões e conversas diárias sejam respeitadas; caso contrário, as pessoas poderão sentir-se perdidas no desempenho das suas funções. Os managers devem dedicar o tempo necessário para gerir e orientar os diferentes membros da equipa, além de garantir a sua máxima produtividade”, comenta Marco Laveda, managing director Spain & Portugal na Robert Walters.

  • Estabeleça objetivos comuns

É importante que as equipas compreendam plenamente quais são os objetivos do negócio. Encorajar a comunicação dentro das equipas e entre os vários departamentos da empresa pode reforçar o entendimento dos objetivos de trabalho e promover a entreajuda.

Encoraje a comunicação tanto quanto possível. Seja entre equipas, entre si e os elementos da equipa ou mesmo entre outros departamentos da empresa, essas trocas só ajudarão a reforçar o entendimento mais amplo dos colaboradores sobre como o negócio funciona”, aconselha a Hays.

  • Não fale apenas do negócio

Ao comunicar com colaboradores remotos, pode ser fácil apenas falar sobre trabalho, mas tente diversificar os temas de conversa. Assim poderá fortalecer a relação com a equipa, fazendo com que os trabalhadores se sintam mais integrados na empresa e se tornem mais produtivos.

  • Delegue o máximo possível

Atribuir tarefas e clarificar quais são os objetivos a cumprir pode ser essencial para que os trabalhadores continuem a ser produtivos e a entregar resultados. Compreenda as funções de cada colaborador antes de delegar funções. Nesta fase, gerir expectativas e dar feedback pode ajudar os trabalhadores a sentirem-se mais guiados para as suas tarefas, ao mesmo tempo que facilita a monitorização de resultados, por parte de quem lidera.

  • Transforme o sistema de avaliação

A gestão do teletrabalho exige uma profunda mudança de mentalidade nos líderes de equipa, que devem basear os seus sistemas de avaliação em resultados, e não no comportamento visível. Estabeleça um ambiente de confiança com cada um dos trabalhadores da equipa.

  • Crie uma cultura flexível

Aproveite este momento para desenvolver uma cultura organizacional mais tecnológica e com condições para trabalhar remotamente, através das tecnologias.

“Assim, é altamente recomendável que os chefes de equipa comuniquem abertamente as diferentes modalidades de trabalho (presenciais, flexíveis, remotas…) disponíveis na empresa com todos os colaboradores, garantindo assim que todos são tratados da mesma maneira e que têm as mesmas oportunidades”, alerta a Robert Walters.

  • Esteja atento e ajude a evitar o burnout

Com o uso de smartphones para trabalhar e a possibilidade de se estar sempre ligado, a linha entre a vida profissional e a vida pessoal está a esbater-se. Enquanto chefe de equipa, faça check-ups frequentes para garantir que as pessoas em trabalho remoto não estão a trabalhar excessivamente. As horas excessivas de trabalho podem levar a um elevado nível de stress e a um possível esgotamento físico e mental, o designado burnout. Fique atento aos sinais de desmotivação e à produtividade de cada elemento da sua equipa.

  • Respeite horários

É importante ser sensível às diferenças horárias entre o seu escritório e a localização da equipa remota. Os horários são algo a ter em conta quando estabelecer prazos para entrega de projetos e agenda reuniões ou chamadas com a equipa.

“Esse impulso do momento da chamada pode parecer-lhe uma boa ideia às 7h00, mas se a sua equipa remota estiver a trabalhar a partir das 9h00, por muito dedicados que sejam, não lhe agradecerão por isso. Marque as chamadas e reuniões virtuais para uma hora que seja conveniente para as duas partes – normalmente durante o horário normal de expediente”, alerta a Hays.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tem toda a equipa a trabalhar remotamente? Saiba como continuar a liderar à distância

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião