Portugal regista 5.962 pessoas infetadas e 119 mortes. “Até haver uma vacina, situação vai durar meses”, diz Graça Freitas

O número de casos confirmados de coronavírus em território nacional aumentou para 5.962, enquanto o número de vítimas mortais também subiu, estando agora nas 119.

Há mais pessoas infetadas com coronavírus no país. De acordo com o balanço mais recente da Direção-Geral de Saúde (DGS), às 11h deste domingo contavam-se 5.962 casos confirmados, com o número de vítimas mortais também a aumentar, ultrapassando já uma centena.

Num dia, o número de casos confirmados de coronavírus passou de 5.170 para 5.962 — a maioria no Norte e na zona de Lisboa e Vale do Tejo –, estando a aguardar resultados laboratoriais 5.508 pessoas. Na conferência de imprensa diária, a ministra da Saúde voltou a sublinhar que as autoridades de saúde “continuam a estimar um número muito elevado de infeções por Covid-19”. “Precisamos da ação de todos para diminuir o número de infetados e vítimas”, disse Marta Temido.

Do número total de pessoas infetadas, 486 estão internadas, das quais 138 estão nos cuidados intensivos. Contudo, há ainda mais de 26 mil casos por confirmar e mais de 17 mil sob vigilância pelas autoridades de saúde. Até ao momento há 43 casos recuperados.

No que diz respeito às vítimas mortais, que chegaram à casa das centenas este sábado, estas são já 119: 61 no Norte do país, 28 no Centro, 28 na zona de Lisboa e Vale do Tejo e duas no Algarve. A ministra da Saúde adiantou que a taxa de letalidade está atualmente nos 2% para toda a população, aumentando para 8% no caso das pessoas com mais de 70 anos.

“Até haver uma vacina, esta situação vai durar meses”, diz Graça Freitas

Também presente na conferência de imprensa, a diretora-geral de Saúde alertou os portugueses de que “isto não é uma coisa de uma quinzena, de dois ou três meses. Até haver uma vacina, esta situação vai durar meses”. O coronavírus, disse, é “muito inteligente e muito agressivo” e “vai tentar replicar-se entre as pessoas”. “Não estamos a terminar nada. Estamos apenas a iniciar um percurso”, afirmou Graça Freitas.

A responsável atentou ainda para os testes de rastreio, explicando que “os resultados negativos podem dar uma falsa segurança” e que os portugueses “nunca devem pensar que um teste negativo está garantido para os dias ou semanas seguintes”. Graça Freitas aconselhou, assim, a população a manter os hábitos de segurança e de distanciamento social durante várias semanas.

Consulte aqui o boletim epidemiológico na íntegra

(Notícia atualizada às 13h11 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal regista 5.962 pessoas infetadas e 119 mortes. “Até haver uma vacina, situação vai durar meses”, diz Graça Freitas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião