Portugal regista 5.962 pessoas infetadas e 119 mortes. “Até haver uma vacina, situação vai durar meses”, diz Graça Freitas

O número de casos confirmados de coronavírus em território nacional aumentou para 5.962, enquanto o número de vítimas mortais também subiu, estando agora nas 119.

Há mais pessoas infetadas com coronavírus no país. De acordo com o balanço mais recente da Direção-Geral de Saúde (DGS), às 11h deste domingo contavam-se 5.962 casos confirmados, com o número de vítimas mortais também a aumentar, ultrapassando já uma centena.

Num dia, o número de casos confirmados de coronavírus passou de 5.170 para 5.962 — a maioria no Norte e na zona de Lisboa e Vale do Tejo –, estando a aguardar resultados laboratoriais 5.508 pessoas. Na conferência de imprensa diária, a ministra da Saúde voltou a sublinhar que as autoridades de saúde “continuam a estimar um número muito elevado de infeções por Covid-19”. “Precisamos da ação de todos para diminuir o número de infetados e vítimas”, disse Marta Temido.

Do número total de pessoas infetadas, 486 estão internadas, das quais 138 estão nos cuidados intensivos. Contudo, há ainda mais de 26 mil casos por confirmar e mais de 17 mil sob vigilância pelas autoridades de saúde. Até ao momento há 43 casos recuperados.

No que diz respeito às vítimas mortais, que chegaram à casa das centenas este sábado, estas são já 119: 61 no Norte do país, 28 no Centro, 28 na zona de Lisboa e Vale do Tejo e duas no Algarve. A ministra da Saúde adiantou que a taxa de letalidade está atualmente nos 2% para toda a população, aumentando para 8% no caso das pessoas com mais de 70 anos.

“Até haver uma vacina, esta situação vai durar meses”, diz Graça Freitas

Também presente na conferência de imprensa, a diretora-geral de Saúde alertou os portugueses de que “isto não é uma coisa de uma quinzena, de dois ou três meses. Até haver uma vacina, esta situação vai durar meses”. O coronavírus, disse, é “muito inteligente e muito agressivo” e “vai tentar replicar-se entre as pessoas”. “Não estamos a terminar nada. Estamos apenas a iniciar um percurso”, afirmou Graça Freitas.

A responsável atentou ainda para os testes de rastreio, explicando que “os resultados negativos podem dar uma falsa segurança” e que os portugueses “nunca devem pensar que um teste negativo está garantido para os dias ou semanas seguintes”. Graça Freitas aconselhou, assim, a população a manter os hábitos de segurança e de distanciamento social durante várias semanas.

Consulte aqui o boletim epidemiológico na íntegra

(Notícia atualizada às 13h11 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal regista 5.962 pessoas infetadas e 119 mortes. “Até haver uma vacina, situação vai durar meses”, diz Graça Freitas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião