CMVM recebeu menos reclamações em 2019. Denúncias aumentam 50%

Regulador do mercado de capitais recebeu menos reclamações dos investidores em 2019. Já as denúncias de possíveis fraudes subiram significativamente.

O regulador do mercado de capitais recebeu menos reclamações durante o ano passado. Caíram 13% para um total de 401 reclamações, anunciou a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Já as denúncias de possíveis fraudes aumentaram quase 50%.

De acordo com o Relatório de Reclamações e Pedidos de Informação de 2019, divulgado esta terça-feira, 95 em cada 100 reclamações recebidas no ano passado tiveram por objeto a atuação de intermediários financeiros. Apenas 16 das 401 reclamações foram apresentadas contra outras entidades.

Por outro lado, a execução de ordens passou a ser o tema mais reclamado pelos investidores, representando praticamente um terço do total de reclamações, e ultrapassando a questão da qualidade da informação prestada aos investidores, habitualmente o assunto mais reclamado (14% em 2019, contra 32% em 2018).

Em relação às reclamações concluídas, houve um forte aumento, de 39%, devido sobretudo à “conclusão das reclamações relacionadas com o Banif, bem como um aumento nos pedidos de informação e a implementação e supervisão das regras da DMIF II”.

"2019 ficou marcado pela conclusão do tratamento pela CMVM das reclamações associadas às entidades financeiras objeto de resolução no contexto da grande crise financeira,”

Gabriela Figueiredo Dias

Presidente da CMVM

Para Gabriela Figueiredo Dias, presidente da CMVM, “2019 ficou marcado pela conclusão do tratamento pela CMVM das reclamações associadas às entidades financeiras objeto de resolução no contexto da grande crise financeira, (…) pela implementação de um novo modelo de gestão de reclamações, pela redução de prazos de resposta, e pela publicação de mais e melhor informação”. Fatores que ajudaram a reduzir o número de reclamações que recebeu da parte dos investidores.

Espera-se que estes sejam sinais de uma evolução gradual positiva no comportamento e na cultura dos participantes do mercado, na responsabilização dos investidores e na supervisão”, acrescenta Gabriela Figueiredo Dias, que acredita que esta evolução se traduzirá num menor número de situações problemáticas e numa maior capacidade de resposta das entidades e do regulador.

Mais pedidos de informação. E mais denúncias

A CMVM também recebeu mais pedidos de informação, totalizando os 2.423 pedidos, um aumento de 9% face a 2018, “justificado sobretudo pelos pedidos relativos à emissão de certidões para cumprimento das obrigações fiscais”. Também houve um aumento de pedidos de informação relativos a intermediários financeiros, nomeadamente se determinada entidade está registada ou autorizada a prestar serviços de intermediação financeira em Portugal

Já no que diz respeito a denúncias, a CMVM registou um aumento de cerca de 46% no número de denúncias relativas a possíveis situações de fraude (de 31 em 2018 para 51 em 2019). Observou ainda um crescimento de mais de 200% de casos relativos a possível intermediação financeira não autorizada (13 em 2018 para 29 em 2019).

Estes casos tiveram sobretudo a ver com tentativas de fraude em situações em que os autores prometem ganhos acima do normal e garantidos, por exemplo, através do investimento em forex, opções binárias, ou criptoativos, solicitando pequenos depósitos iniciais.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CMVM recebeu menos reclamações em 2019. Denúncias aumentam 50%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião