Com dúvidas sobre IRS? Fisco apela a que contribuintes mais idosos não saiam de casa

Face à pandemia de coronavírus, a Autoridade Tributária (AT) está a apelar aos contribuintes -- sobretudo os mais idosos -- que não saiam de casa para esclarecer dúvidas sobre IRS.

Face à pandemia de coronavírus, a Autoridade Tributária (AT) está a apelar aos contribuintes — sobretudo os mais idosos — que recorram ao atendimento telefónico e aos balcões virtuais para esclarecerem as suas dúvidas sobre as declarações de IRS, cujo período de entrega arranca esta quarta-feira.

“Considerando que o prazo de entrega decorre até 30 de junho, apelamos a que os contribuintes não saiam de casa para procurar apoio no preenchimento da declaração de IRS, sobretudo os mais idosos. Aliás, nos anos anteriores, verificou-se que um número significativo de contribuintes que não estariam sequer obrigados a entregar a declaração de IRS procuraram presencialmente o apoio dos Serviços de Finanças e das Juntas de Freguesia”, salienta o Fisco.

Na mesma nota enviada ao ECO, a Autoridade Tributária frisa que “tem vindo a reforçar a sua capacidade de resposta no atendimento telefónico e no e-Balcão”, estando a atender diariamente cerca de sete mil chamadas e a responder a quatro mil questões, respetivamente.

O período de entrega das declarações anuais de rendimentos começa esta quarta-feira, dia 1 de abril, e prolonga-se até ao final de junho. Este ano, o universo de contribuintes abrangidos pelo IRS automático mantém-se em torno das três milhões famílias. Para ter acesso a esta funcionalidade, os contribuintes têm de ter tido rendimentos exclusivamente fruto de trabalho por conta de outrem ou pensões, optando ainda por não englobar os rendimentos tributados por taxas liberatórias.

Para os contribuintes incluídos nesse grupo, a não entrega de qualquer declaração significa que, findo o período referido, o Fisco assume a proposta automática como efetiva. A DECO sugere, por isso, que essa pode ser uma “boa solução” para os contribuintes mais idosos, que teriam dificuldades, neste momento de pandemia, em obter esclarecimentos sobre esta matéria, uma vez que a entrega da declaração Modelo 3 é feita exclusivamente no Portal das Finanças (não há papel).

Sobre o prazo de reembolso do imposto, a AT não adianta se será ou não mantida a expectativa de pagamento em 15 dias para declarações via IRS automático e 30 dias para as restantes, como tinha acontecido nos anos anteriores. O ECO questionou o Governo sobre este assunto, mas o gabinete de Mário Centeno não adiantou mais pontos.

“A AT esclarece que não há vantagem em entregar a declaração de IRS logo nos primeiros dias de abril, pois – tal como em todos os anos – o processamento generalizado das declarações não se inicia de imediato, sendo conveniente fazê-lo mais tarde para evitar eventuais dificuldades de acesso ao Portal das Finanças”, remata o Fisco.

(Notícia atualizada às 17h18)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Com dúvidas sobre IRS? Fisco apela a que contribuintes mais idosos não saiam de casa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião