Marcelo pede renovação do estado de emergência para evitar “aumento de contactos” na Páscoa

O Presidente da República já assinou o projeto de decreto para prolongar o estado de emergência. Esta quinta-feira Assembleia da República deve aprovar a prorrogação.

Após ter recebido o parecer favorável do Governo, o Presidente da República enviou à Assembleia da República o projeto de decreto que permite prolongar o estado de emergência por mais 15 dias. No texto do projeto, Marcelo Rebelo de Sousa assinala que é preciso evitar um aumento do contágio durante a Páscoa.

“Depois de ouvido o Governo, que se pronunciou em sentido favorável, o Presidente da República enviou à Assembleia da República, para autorização desta, o projeto de diploma decretando a renovação do estado de emergência por 15 dias“, lê-se na nota publicada esta quarta-feira no site da Presidência. Caso seja aprovado no Parlamento, tal como é expectável, o prolongamento será das 00:00 horas do dia 3 até às 23:59 de 17 de abril, “sem prejuízo de eventuais novas renovações”. Ou seja, fica aberta a porta a mais prorrogações.

“Os efeitos ainda iniciais das medidas adotadas confirmam o acerto da estratégia seguida e aconselham a sua manutenção”, defende o Presidente no projeto, referindo que “tal é tanto mais evidente quanto se aproxima o tempo da Páscoa, época tradicional de encontro de famílias e de circulação internacional”. “É essencial para o sucesso da estratégia traçada e conduzida até aqui que este tempo não conduza ao aumento de contactos entre pessoas e, consequentemente, de infeções”, defende.

"Com efeito, a nossa preocupação deve continuar até ao fim de um processo que todos sabemos que será longo. Para isso considera o Presidente da República, à semelhança do que ocorreu no dia 18 de março, indispensável a renovação da declaração do estado de emergência.”

Marcelo Rebelo de Sousa

Na exposição de motivos do decreto, o Presidente da República escreve que “não obstante o exemplar comportamento dos Portugueses no cumprimento destas medidas, bem como a aceitação e apoio que mereceu a declaração do estado de emergência, e sem prejuízo dos efeitos positivos que elas já permitiram alcançar no combate à disseminação da doença, torna-se indispensável a sua manutenção”.

Na opinião de Marcelo Rebelo de Sousa esse cumprimento “foi possível através de uma suspensão muito limitada de direitos, sem necessidade de obliteração do direito à liberdade individual, bastando para tanto as restrições no direito à circulação e sem que, na maioria dos casos, tenha havido necessidade de recurso a sanções de natureza criminal para assegurar o seu cumprimento”. É também isso que defende o primeiro-ministro que tem repetido a expressão “máximo contenção com o mínimo de perturbação”.

Dada a mudança da fase de contenção para a de mitigação, Marcelo diz que “tal significa, naturalmente, que se deve acentuar o nível de prevenção, sob pena de o esforço feito até aqui ser desperdiçado”. “Os efeitos ainda iniciais das medidas adotadas confirmam o acerto da estratégia seguida e aconselham a sua manutenção“, argumenta, defendendo que a “preocupação deve continuar até ao fim de um processo que todos sabemos que será longo”.

Perante estes argumentos, o Presidente da República considera “indispensável a renovação da declaração do estado de emergência“. Porém, há acrescentos neste projeto de decreto face ao que estabeleceu inicialmente o estado de emergência nas “matérias respeitantes à proteção do emprego, ao controlo de preços, ao apoio a idosos em lares ou domiciliário, ao ensino e à adoção de medidas urgentes para proteção dos cidadãos privados de liberdade, especialmente vulneráveis à doença COVID-19”.

Um exemplo do que há de novo neste decreto é a possibilidade de serem impostas limitações ao despedimentos, o que terá de ser alvo de decisão do Governo e aprovado pela Assembleia da República.

Esta quarta-feira o Executivo anunciou que deu parecer favorável ao prolongamento do estado de emergência pedido pelo Presidente da República. “O Governo deliberou dar parecer favorável à renovação do estado de emergência nos termos do decreto“, anunciou António Costa, sem adiantar as medidas que poderão vir a constar da legislação que regulamenta o estado de emergência.

(Notícia atualizada às 19h58 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo pede renovação do estado de emergência para evitar “aumento de contactos” na Páscoa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião