Ex-Deloitte e Millennium BCP vai gerir pessoas da DefinedCrowd

A nova responsável pela gestão de pessoas da DefinedCrowd deixa a função de people director na Deloitte para assumir o novo cargo criado no âmbito do crescimento exponencial da empresa.

Teresa Nascimento, VP of People da DefinedCrowd.Defined Crowd

Teresa Nascimento é a nova vice-president of people da startup de inteligência artificial DefinedCrowd, assumindo o novo cargo que surge na sequência do crescimento exponencial registado pela empresa. Antes de chegar à DefinedCrowd, Teresa Nascimento era responsável pela gestão das pessoas da Deloitte, tendo passado pela mesma função no Millennium BCP e na Microsoft.

“É com entusiasmo que integro a fantástica equipa da DefinedCrowd. Tenho acompanhado de perto o crescimento de empresa e o momento que se vive é muito entusiasmante. É um desafio muito interessante fazer parte deste processo de investimento e crescimento, e desta equipa tão dinâmica e inovadora”, comenta Teresa Nascimento.

A vasta experiência profissional da Teresa em diversas empresas e segmentos, incluindo o tecnológico, irá contribuir para o desenvolvimento e crescimento da nossa equipa. A empresa está a crescer bastante rápido e é imperativo implementar estratégias e processos eficientes, para garantir que a mensagem, os objetivos e a cultura organizacional se mantêm em todos os escritórios”, explica em comunicado a fundadora e CEO da DefinedCrowd, Daniela Braga.

Recentemente, a DefinedCrowd foi reconhecida como uma das Best Startup Employers pela Forbes. Ainda em 2019, a scaleup fez parte da lista anual de empresas de inteligência artificial da CB Insights, e foi nomeada pela Forbes como uma das 50 empresas de IA mais promissoras. A empresa com ADN português e sede em Seattle, nos EUA, emprega atualmente mais de 250 pessoas e prevê chegar ao final deste ano com 500 profissionais, a nível global.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ex-Deloitte e Millennium BCP vai gerir pessoas da DefinedCrowd

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião