Covid-19 leva Jerónimo Martins a adiar assembleia geral e resultados

Surto de coronavírus levou a retalhista liderada por Pedro Soares dos Santos a adiar o encontro anual com acionista em que vai aprovar as contas de 2019 e votar a distribuição de dividendos.

A Jerónimo Martins decidiu adiar a assembleia geral (AG) de acionistas e a apresentação de resultados do primeiro trimestre devido ao surto de Covid-19. A retalhista é a primeira empresa do PSI-20 a aproveitar a margem dada pelo Governo às cotadas para realizarem as assembleias anuais mais tarde.

Num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Jerónimo Martins anuncia a desconvocação da AG, que estava marcada para dia 16 de abril. Justifica que “se entende não estarem reunidas as condições para que a Assembleia Geral possa decorrer”.

Desde a data em que foi determinado convocar a assembleia, “a situação excecional ocasionada pela epidemia da doença Covid-19 levou à declaração do estado de emergência“, lembram.

O Governo alargou o período em que as empresas podem realizar assembleias-gerais anuais até 30 de junho devido ao surto. E a CMVM emitiu recomendações especificas, nomeadamente aconselhando as cotadas a realizarem as AG de forma remota, mas a Jerónimo Martins considera que não tem condições para o fazer.

“Não obstante se ter incentivado os acionistas a exercerem o seu direito de voto por uma das vias alternativas à votação presencial, em especial a votação por correio eletrónico se constata que, até ontem, data limite para o efeito, vários acionistas que manifestaram a intenção de participar na Assembleia Geral não declararam pretender fazê-lo por correio eletrónico“, acrescenta a retalhista.

A AG será realizada em data ainda a determinar até 30 de junho. Já a apresentação de resultados do primeiro trimestre passa de 22 de abril para 13 de maio, anunciou num outro comunicado a empresa dona do Pingo Doce que lucrou 433 milhões de euros em 2019.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19 leva Jerónimo Martins a adiar assembleia geral e resultados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião