Espanha com menor número diário de mortes da última semana

  • Lusa e ECO
  • 4 Abril 2020

De acordo com as autoridades espanholas, Espanha registou o menor número diário de mortes da última semana. Nas últimas 24 horas, coronavírus provocou a morte de 809 pessoas no país vizinho.

Espanha registou, nas últimas 24 horas, 809 mortes devido ao novo coronavírus, o número mais baixo desde o sábado passado, alcançando um total de 11.744 vítimas mortais, segundo a última atualização das autoridades sanitárias.

De acordo com o Ministério da Saúde espanhol, foram confirmados 7.026 novos infetados, o que confirma a desaceleração do ritmo de progresso da pandemia, sendo agora o total de contagiados de 124.736.

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, 34.219 pessoas que foram contagiadas tiveram alta e são consideradas como curadas.

Face ao panorama vivido no país, o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, decidiu propor ao Parlamento a continuação do estado de emergência até 26 de abril, segundo fontes do Governo citadas por toda a imprensa espanhola. Sánchez vai anunciar esta decisão ao início da tarde, depois de uma ronda de contactos que está a fazer com todos os líderes dos principais partidos espanhóis, nomeadamente os da oposição de direita.

O Governo espanhol decretou o estado de emergência durante 15 dias em 14 de março último, que foi prorrogado pelo parlamento a partir de 28 do mesmo mês.

Sobe para 4.313 o número de vítimas mortais no Reino Unido

O número de mortes de pessoas infetadas com Covid-19 aumentou em 708 nas últimas 24 horas no Reino Unido, fazendo o total subir para 4.313, informou, este sáabdo, o ministério da Saúde britânico. O número de casos de pessoas diagnosticadas com a doença também aumentou em 3.735 desde sexta-feira, para 41.903, acrescentou a mesma fonte.

Na sexta-feira, o balanço diário tinha registado mais 684 mortes e mais 4.450 novas infeções relativamente ao dia anterior. Os números das mortes referem-se a pacientes que morreram no hospital e que foram diagnosticados com Covid-19 e são compilados a partir de dados das direções regionais de Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte registados até às 17:00 horas da véspera. O número de pessoas infetadas é contabilizado de forma diferente e inclui os diagnósticos feitos até às 9:00 horas deste sábado.

Estas estatísticas não incluem mortes fora do hospital, como aquelas registadas em lares de idosos, e o registo dos óbitos pode demorar mais tempo, pelo que algumas mortes podem não ser incluídas no balanço diário, refere o Ministério da Saúde.

Itália com redução inédita de doentes nos cuidados intensivos

Itália registou, este sábado, pela primeira vez uma redução do número de doentes nos cuidados intensivos, num dia em que se registaram mais 681 mortos por Covid-19, perfazendo um total de 15.362 vítimas mortais.

Desde finais de fevereiro, altura em que a epidemia se começou a propagar em Itália, fazendo do país o líder da tabela de vítimas mortais, a curva tem-se mantido ascendente. Por isso, a proteção civil destacou hoje a redução inédita do número de doentes internados nos cuidados intensivos dos hospitais italianos: são agora 3.994, menos 74 do que na sexta-feira (4.068).

“É uma notícia importante, porque permite aos nossos hospitais respirarem. É a primeira vez que esse número baixa desde que asseguramos a gestão desta emergência”, clarificou Angelo Borrelli, chefe da proteção civil italiana.

O número total de doentes, mortos e curados, em Itália é agora de 124.632, tendo-se registado um aumento de 4.805 novos casos nas últimas 24 horas.

(Notícia atualizada às 18h20)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Espanha com menor número diário de mortes da última semana

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião