Hotelaria adere ao lay-off. Marriott e Vila Galé põem até 95% dos trabalhadores em casa

Os hotéis também estão a recorrer ao regime de lay-off, numa altura em que não há hóspedes. As cadeias Marriott e Vila Galé vão colocar mais de 85% dos trabalhadores em casa.

Desde início que se previa que o turismo viesse a ser dos setores mais afetados pela crise provocada pelo coronavírus, e os efeitos estão à vista. Não há hóspedes e a maioria das cadeias hoteleiras está com os serviços reduzidos ou até mesmo de portas fechadas. Há hotéis que já aderiram às linhas de crédito criadas pelo Governo e outros que acabaram mesmo por colocar trabalhadores em lay-off, como o Grupo Vila Galé e o Grupo Marriott.

O Grupo Marriott, com 17 hotéis em Portugal, já tem o “ok” do Governo para aderir ao regime de lay-off. Ao ECO, o diretor-geral do Lisbon Marriott Hotel revelou que foram colocados em casa entre 90% a 95% de todos os trabalhadores de cada hotel. O regime de lay-off desta cadeia hoteleira vai persistir durante todo o mês de abril, mas será revisto mensalmente, até um máximo de meio ano.

Mas as medidas variam de hotel para hotel. Em alguns houve uma redução das horas de trabalho, noutros foram dadas férias a vários funcionários. Enquanto o lay-off persistir, nos hotéis Marriott — a maior parte fechados –, apenas ficará a trabalhar uma percentagem muito reduzida de trabalhadores. Isto porque, explicou Elmar Derkitsch, “os hotéis não podem encerrar completamente”, sendo preciso manter certas funções, como a limpeza e a segurança, e também os diretores de serviços. Contudo, o responsável sublinhou que os trabalhadores podem ser requisitados a qualquer momento.

Outro grupo hoteleiro que também aderiu ao lay-off foi o Vila Galé. Ao ECO, o presidente executivo da cadeia portuguesa adiantou que 1.141 (84%) trabalhadores vão ser postos em casa através deste regime, que garante o recebimento de dois terços do salário. Contudo, há exceções. “Nas [unidades] agrícolas vamos manter o pessoal e no Vila Galé Clube de Campo [em Beja] ainda vamos analisar melhor”, detalhou Jorge Rebelo de Almeida.

Em entrevista ao Expresso, o CEO do Vila Galé adiantou que se apercebeu “tarde demais” dos efeitos que o surto de coronavírus poderia ter no setor do turismo. “O que temos agora à mesa é um corte total de receitas”, disse o responsável, revelando que as receitas do Grupo caíram 64% em março “e para abril e maio a previsão é ter receita zero”. Com apenas cinco hotéis abertos, Jorge Rebelo de Almeida diz esperar que em julho o Vila Galé possa começar a recuperar, ainda que “lentamente”. Contudo, admite: “a recuperação vai ser difícil”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hotelaria adere ao lay-off. Marriott e Vila Galé põem até 95% dos trabalhadores em casa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião