Marcelo quer estado de emergência até 1 de maio

O Presidente da República não quer recaídas, nem correr riscos, por isso está decidido a propor a renovação do estado de emergência até ao final do mês de abril

Marcelo Rebelo de Sousa ainda vai ouvir os especialistas em saúde pública e o Governo, mas antecipa já o que vai propor em relação ao estado de emergência. “Está formada a minha convicção quanto à renovação do estado de emergência até ao dia 1 de maio. Não podemos brincar em serviço, não podemos afrouxar”. A decisão sobre o estado de emergência será tomada já na próxima semana, sob proposta do Presidente, e tem de ser aprovada na Assembleia da República.

No dia em que o número de infetados e mortos por causa do coronavírus registou uma evolução menos positiva do que nos dias anteriores, Marcelo Rebelo de Sousa baixou as expectativas sobre a saída do estado de emergência e alertou parar os riscos que ainda existem. “Avisei que os portugueses deveriam estar preparados para o número de casos subir. Preparei os portugueses para essa eventualidade. O número de hoje [sexta-feira] representa como quase que uma duplicação do número dos últimos dias. Significa que temos de estar muito focados num combate que não está totalmente ganho. Por isso é que o esforço desta Páscoa é tão importante. Se queremos abrir perspetivas, como quer o primeiro-ministro e o Governo, para o ano lectivo em maio, temos de garantir até ao final de abril uma evolução que se traduza num decrescimento em números absolutos”.

As autoridades de saúde portuguesas encontraram 1.516 novos casos de Covid-19, a maior subida diária em termos absolutos de que há registo, elevando de 13.956 para 15.472 o número de pessoas infetadas pelo novo coronavírus no país. Trata-se também de um acelerar na taxa diária de novos casos, de 6,20% para 10,9% esta sexta-feira.

Neste contexto, Marcelo fez questão de elogiar as opções do Governo sobre o regresso às aulas. “Não há propostas ideiais, perfeitas, não há como ter uma recuperação integral do tempo perdido, não há como encontrar a melhor forma de avaliação. Foi a solução mais próxima do possível, no meio de incertezas”, disse o Presidente.

Sobre o acordo do Eurogrupo, Marcelo é comedido. “Ainda bem que existiu. 4600 milhões de euros no caso português. É uma ajuda, mas é um começo, a Europa tem a obrigação de ir mais longe no futuro. Fez isto, que é curto, antes ter feito do que não ter feito, mas é preciso olhar para a reconstrução europeia”.

O Presidente da República quis também esclarecer as dúvidas suscitada em torno das decisões sobre as penas de prisão. O perdão ou o indulto não vai cobrir homicídios, crimes sexuais, crimes contra pessoas, violência doméstica, incêndios florestais, bem como o tráfico ou corrupção ativa ou passiva ou crimes de titulares de cargos políticos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo quer estado de emergência até 1 de maio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião