Indústria das lãs pede apoios: “Se não vendi esta estação, como vou fazer a seguinte?”

  • Lusa
  • 12 Abril 2020

A indústria de lanifícios apela ao Governo para que crie apoios que permitam ao setor assegurar a próxima coleção outono/inverno.

Indústria de lanifícios pede ajuda ao Governo para assegurar a próxima coleção.Pixabay

O presidente da Associação Nacional de Industriais de Lanifícios (ANIL) pede ao Governo apoios para que as empresas possam comprar as matérias-primas e fazer as roupas da próxima estação, depois de ultrapassada a pandemia do Covid-19.

José Robalo frisa que as empresas produziram a coleção de outono/inverno, mas não conseguiram entregar os tecidos, exportados quase na totalidade, porque os clientes foram fechando portas nos vários países, quer as confeções, quer as lojas.

“A coleção outono/inverno não foi entregue. Esta estação já desapareceu, os armazéns estão lotados com excesso de stock. Se não vendi esta estação, como é que vou comprar matéria-prima para fazer a seguinte? Há apoios do Estado de que a indústria vai necessitar”, defende o presidente da ANIL, com sede na Covilhã.

Segundo José Robalo, o impacto faz-se sentir desde fevereiro, altura em que algumas empresas começaram a notar dificuldades no abastecimento da lã, uma vez que a maioria é proveniente da Austrália, mas a sua lavagem é feita na China, explica.

Seguiu-se “uma redução drástica nas encomendas, que é geral”, devido à incerteza que se vive. “As encomendas começaram a ser anuladas nuns casos, suspensas, em outros casos adiadas”, sublinha o presidente da ANIL.

O recurso de algumas empresas ao lay-off, em alguns casos parcial, foi uma das soluções encontradas, mas “o futuro é uma incógnita”, num setor que, segundo os últimos dados conhecidos, de 2018, adianta José Robalo, exportou cerca de 300 milhões de euros, sendo à volta de 200 milhões da Cova da Beira, onde está instalado o maior exportador do setor, o Grupo Paulo de Oliveira, na Covilhã.

O responsável acentua existir uma cadeia para que tudo funcione normalmente, “das matérias-primas ao produto final na loja”. Se a venda ao público continuar suspensa, “vai ser um problema muito grande”.

José Robalo prefere não fazer projeções. Espera que a situação provocada pela pandemia do novo coronavírus não se prolongue e aguarda a reação do mercado, mas acrescenta que se a situação não se resolver, será impossível as empresas manteres as suas estruturas. “Com as empresas paradas, é impossível manter toda a estrutura produtiva”, antevê o presidente da ANIL, para quem, neste momento, avançar com cenários “é fazer futurologia”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Indústria das lãs pede apoios: “Se não vendi esta estação, como vou fazer a seguinte?”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião