Marcelo e Costa afastam geolocalização obrigatória de infetados com coronavírus

  • ECO
  • 16 Abril 2020

Especialistas do Infarmed defenderam a geolocalização das pessoas infetadas com coronavírus, mas os dois governantes afastaram essa hipótese.

Especialistas do Infarmed colocaram a hipótese de se localizar doentes infetados com coronavírus através do telemóvel, tal como acontece em certos países do Oriente para travar os contágios, mas Marcelo Rebelo de Sousa e António afastaram essa hipótese, diz o Público (acesso pago). Os dois governantes justificaram que a medida não teria luz verde do Tribunal Constitucional (TC) e que teria de se garantir a privacidade dos cidadãos.

O tema foi discutido esta quarta-feira, durante uma reunião técnica entre especialistas e políticos do Infarmed. Em causa estariam outras formas de as operadoras utilizarem os dados dos clientes. Ou seja, de forma anónima e agregada, seria possível perceber, através do telemóvel, o comportamento das populações de determinada região.

Embora os especialistas tenham defendido que a geolocalização dos infetados seria eficaz, António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa afastaram essa hipótese. O primeiro-ministro apontou várias dúvidas sobre a constitucionalidade deste sistema e referiu que a medida não seria aprovada pelo TC. O Presidente da República concordou, dizendo que uma medida assim teria de ter “luz verde” do TC e da Provedora de Justiça e que teria sempre de se salvaguardar a privacidade dos cidadãos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo e Costa afastam geolocalização obrigatória de infetados com coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião