Governo apoia startups com cinco novas medidas. Valem 25 milhões de euros

Executivo anuncia cinco novas medidas de apoio ao ecossistema empreendedor, que têm como objetivo apoiar setor que representa 1,1% do PIB nacional.

O Governo lançou um conjunto de cinco novas medidas de apoio ao ecossistema empreendedor português, no valor de 25 milhões de euros. Em comunicado, o Executivo explica o valor permitirá dar apoio ao ecossistema constituído por mais de 2.500 startups, apoiando-as potencialmente, em média, em 10 mil euros para cada uma.

Entre as medidas estão apoios financeiros equivalentes ao salário mínimo, a prorrogação do Startup Voucher e um reforço no vale incubação, entre outras medidas.

As medidas anunciadas pelo Governo são as seguintes:

  • StartupRH Covid19: um apoio financeiro equivalente ao salário mínimo por colaborador — e até a um máximo de 10 trabalhadores por startup;
  • Prorrogação Startup Voucher: prorrogação por três meses do benefício da bolsa anterior já atribuído (2.075€ por posto de trabalho de empreendedor).
  • Vale Incubação – COVID19: apoio para startups com menos de cinco anos, através da contratação de serviços de incubação com base em incentivo de 1.500 euros não reembolsável.
  • “Mezzanine” funding for Startups: Empréstimo convertível em capital em capital social (suprimentos), após 12 meses, aplicando uma taxa de desconto que permita evitar a diluição dos promotores. Tickets médios de investimento entre 50 mil euros e 100 mil euros por startup.
  • Lançamento de instrumento Covid-19 -Portugal Ventures: Lançamento de Aviso (Call) da Portugal Ventures para investimentos em startups, com tickets a partir de 50 mil euros. Iniciativa financiada através da Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD), Portugal Ventures e Imprensa Nacional – Casa da Moeda.

Além das cinco novas medidas, o Governo reforça ainda a disponibilização de dois apoios já existentes, que entretanto foram adaptados para dar resposta mais efetiva às necessidades imediatas decorrentes da pandemia. O fundo 200M, de coinvestimento com investidores privados em startups e scaleups portuguesas, que passa a ter um mínimo público de 500 mil euros e máximo de cinco milhões de euros; e o fundo coinvestimento para a inovação social, investimento feito entre privados em empresas com projetos inovadores e de impacto social, que passa a contar com um mínimo público de 50 mil euros e máximo de 2,5 milhões de euros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo apoia startups com cinco novas medidas. Valem 25 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião