Itália recusará “compromisso mínimo” no Conselho Europeu, assegura Conte

  • Lusa
  • 21 Abril 2020

"Não aceitarei um compromisso mínimo: ou ganhamos todos, ou perdemos todos", disse o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte.

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, afirmou esta terça-feira que recusará um “compromisso mínimo” no Conselho Europeu de quinta-feira que vai discutir a resposta da União Europeia (UE) à crise económica e social provocada pela pandemia ligada ao novo coronavírus.

Não aceitarei um compromisso mínimo: ou ganhamos todos, ou perdemos todos”, disse Giuseppe Conte no Senado italiano. A Itália tem insistido numa mutualização da dívida a nível europeu para ajudar os países-membros a fazerem face às consequências económicas e sociais da quase paralisação das economias imposta pela necessidade de travar a propagação do coronavírus, mas a ideia é recusada por países como a Alemanha e a Holanda.

“A UE e a zona euro não podem permitir-se repetir os mesmos erros cometidos na crise financeira de 2008, quando não foi possível dar uma resposta comum”, acrescentou o chefe do governo italiano.

Os ministros das Finanças europeus chegaram a 9 de abril a acordo para um pacote financeiro de cerca de 500 mil milhões de euros, mas deixou de fora qualquer instrumento europeu comum de emissão de dívida.

"A UE e a zona euro não podem permitir-se repetir os mesmos erros cometidos na crise financeira de 2008, quando não foi possível dar uma resposta comum.”

Giuseppe Conte

Daquele pacote consta um montante de 240 mil milhões mobilizados através do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), o fundo criado na crise de 2008 e que impôs aos países fortemente endividados do sul da Europa medidas de austeridade.

Giuseppe Conte, que tem criticado repetidamente o recurso ao MEE nesta crise, afirmou contudo hoje que, antes de o rejeitar definitivamente, avaliará se o recurso ao crédito através do MEE é ou não condicionado.

O primeiro-ministro italiano frisou não querer opor-se frontalmente ao MEE porque outros países que têm estado ao lado de Itália na defesa de uma mutualização da dívida, como Espanha, aceitam o recurso àquele mecanismo desde que sem condições excessivas.

Giuseppe Conte defendeu ainda a proposta apresentada na semana passada pela França, de um fundo europeu específico e temporário, financiado pelos Estados-membros ou por um imposto próprio, e com a possibilidade de ter dívida comum, mas apenas nesse fundo.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Itália recusará “compromisso mínimo” no Conselho Europeu, assegura Conte

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião