Na SPS o teletrabalho reforçou os “laços entre as várias equipas”

Pedro Malta da Silveira, managing partner da SPS, garante que na firma de advogados foram precisos apenas dois dias para colocar os profissionais a trabalhar remotamente em "pleno".

Na sociedade de advogados SPS também foi adotado o regime do trabalho remoto, de forma a conter a propagação da pandemia do Covid-19. Sociedades com a SRS, VdA, Abreu Advogados, PLMJ e Cuatrecasas também se encontram em teletrabalho.

Entrevistado para a rubrica diária do ECO, Gestores em teletrabalho, Pedro Malta da Silveira, managing partner da SPS, conta que todas as pessoas da firma estão a trabalhar de casa, “com exceção dos serviços de receção e envio de correio”.

“Aquilo que começou por ser uma situação de emergência – as pessoas foram todas trabalhar para casa a partir dos dias 12 e 13 de março, mais de 100 pessoas – acabou por se revelar uma opção perfeitamente válida a qual, como provavelmente acontece com tudo, tem desvantagens mas igualmente enormes vantagens”, explica o managing partner.

Para Pedro Malta da Silveira, o distanciamento físico exigido criou nas pessoas uma “ansiedade positiva” de estarem juntas, o que possibilitou “reforçar os laços entre as várias equipas duma maneira até mesmo inesperada”.

“O uso de todas as ferramentas tecnológicas que nos permitem ‘estar juntos’, geraram nas pessoas uma atitude de partilha e de reforço conjunto muito enriquecedora. As tarefas profissionais, tal como acontece com a nossa organização pessoal em teletrabalho, são muito mais satisfatórias porque enriquecidas pelos nossos gostos e métodos pessoais”, assegura o líder da SPS.

O gestor exemplifica este reforço de laços entre equipas, com uma nova rotina que a sociedade de advogados adotou: antes de cada reunião virtual, os primeiros minutos são dedicados à partilha de assuntos pessoas, “seja a família, o confinamento, as últimas novidades sobre o Covid”.

Com a pandemia Covid-19 a provocar diversos constrangimentos por todo o país e por todos os setores, a SPS encontra-se sensibilizada com as circunstâncias e pugna no apoio aos clientes. Além da divulgação de toda a informação recorrente sobre as novidades legislativas relacionadas com o vírus, a sociedade de advogados tem ainda aprofundado o “modo como esta situação global se projeta nas várias realidades jurídicas”.

“Na verdade, temos sensibilizado os nossos clientes para a circunstância de que a verdadeira ‘brutalidade’ daquilo que está a acontecer no planeta, por via das regras gerais de direito e dos valores e interesses que as mesmas prosseguem, permite reequacionar todas as áreas dos seus negócios”, garante Pedro Malta da Silveira.

Uma firma de advogados mais tecnológica

A SPS, tal como muitas outras empresas, viu-se obrigada a adotar meios tecnológicos para prosseguir com a sua atividade laboral. Pedro Malta da Silveira assegura que na sociedade de advogados foram precisos apenas dois dias para “colocar todas as pessoas em casa, a trabalhar em pleno”. A razão apontada é a presente consciência da firma entre a conexão do “desempenho profissional e tecnologias de informação”.

Sabíamos que tínhamos essas ferramentas mas não sabíamos que elas eram tão multifacetadas de modo a permitir a manutenção do trabalho sem descontinuidades. Note-se que o facto de todos os sócios e associados seniores serem fãs das novas tecnologias ajudou imenso”, assegura o managing partner.

Para o líder da SPS, a sensação de viverem sob ameaça de saúde e de “abaixamento económico” gerou nas várias equipas um efeito de reforço de grupo. “Esta reação de grupo à adversidade tem permitido à SPS evitar, nestas últimas semanas, uma curva pronunciada de abaixamento nos resultados económicos. Ela existe e será tanto maior quanto o estado de ‘quarentena económica’ se prolongue, mas temos perfeita noção que a nossa resiliência nas horas más irá permitir que as contas do escritório baixem menos do que se poderia temer”, conclui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Na SPS o teletrabalho reforçou os “laços entre as várias equipas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião