Apima estuda novos formatos de promoção internacional devido ao coronavírus

As restrições de concentrações de pessoas provocaram alterações aos modelos das feiras e encontros empresariais. Por isso, a Apima e a AICEP estudam novos formatos e canais de promoção internacional.

Face aos constrangimentos provocados pela pandemia de Covid-19, a Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Afins (Apima) e a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) estão a definir novos modelos de promoção internacional, assentes na tecnologia e no digital.

As restrições de concentrações de pessoas provocaram alterações aos modelos das feiras e encontros empresariais. Nesse sentido, a associação “está já a definir com a AICEP e demais entidades novos formatos e canais de promoção internacional, com um forte enfoque na tecnologia e no digital”, revela Gualter
Morgado, diretor executivo da Apima, em comunicado.

Além disso, e no âmbito da aceleração dos pagamentos relacionados com o programa Portugal 2020 anunciados pelo Governo, a Apima vai distribuir “nas próximas duas semanas, cerca de dois milhões de euros de incentivos” relativos a dois projetos conjuntos de internacionalização. Este montante será distribuído por mais de 200 milhões de empresas e inclui também o adiantamento relativo a feiras de janeiro e fevereiro deste ano.

Em comunicado, a associação revela ainda que no ano passado as exportações do cluster imobiliário atingiram os 1,83 mil milhões de euros, o que representa um crescimento de 32%. Este é considerado um valor recorde e, segundo à Apima, foi possível através da participação de 954 eventos nos últimos cinco anos, com um investimento total de 45 milhões de euros.

Assim, entre 2014 e 2019, verificou-se uma subida de vendas em mercados estrangeiros, nomeadamente no “francês (34%) e espanhol (25%), mas também na penetração em novos mercados, como o alemão e o americano”, aponta a associação.

Gualter Morgado destaca o facto de “as empresas nacionais se terem afirmado com base na qualidade dos produtos, na inovação e no design, e não no fator preço”, bem como, terem apostado na personalização e na customização dos produtos, permitindo que “este crescimento assente não só na consolidação das grandes indústrias, mas também no aumento do número de empresas exportadoras”, conclui.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Apima estuda novos formatos de promoção internacional devido ao coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião