Associação Portuguesa de Certificação lança selo “Covid Safe” para garantir segurança no regresso ao trabalho

  • ECO
  • 7 Maio 2020

A marca "Covid-19" é atribuída a organizações que cumpram as orientações das autoridades de saúde. A ideia é garantir a clientes e funcionários que são respeitas as condições de higiene e segurança.

A Associação Portuguesa de Certificação (APCER) lançou o serviço “Covid Safe”, que pretende “restabelecer a confiança e segurança” dos trabalhadores, clientes e parceiros, através da verificação “dos procedimentos de segurança e saúde” no regresso aos locais de trabalho.

A marca Covid Safe é atribuída a organizações que cumpram as orientações emanadas pela Direção Geral da Saúde (DGS), pela Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), permitindo demonstrar a colaboradores, clientes, fornecedores, parceiros e sociedade, o seu compromisso e respeito pela saúde e segurança, informa a APCER.

Com base nas orientações de várias entidades, este serviço “é aplicável a qualquer organização, independentemente do seu setor de atividade e dimensão”, informa a nota de imprensa.

A ideia é funcionar como um “selo” garantia de segurança no regresso gradual ao trabalho e da reabertura da economia, por forma a que os colaboradores, parceiros ou clientes não se sintam receosos, face ao risco de transmissão do Covid-19. Através de uma “metodologia rigorosa”, o processo de verificação passa por avaliar “a implementação eficaz de procedimentos e práticas adotadas” pelas organizações. A abordagem é feita por auditores da APCER com competência nas áreas da saúde e segurança no trabalho.

Também o Turismo de Portugal criou um selo de garantia para as empresas ligadas ao setor. Chama-se “Clean & Safe” e garante aos turistas, que os estabelecimento, como hotéis e restaurantes, cumprem as recomendações de higiene e segurança. E está em preparação também a criação de um selo semelhante para as empresas de rent-a-car.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Associação Portuguesa de Certificação lança selo “Covid Safe” para garantir segurança no regresso ao trabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião