Fundo de 100 milhões para ajudar a fusão de empresas avança sem privados

O fundo de 100 milhões de euros alimentado pelo FEI e pelo Fundo de Fundos para a Internacionalização pretende mobilizar 300 milhões de euros (e já não 500) para financiar PME portuguesas.

O fundo para estimular o crescimento de empresas mais maduras e promover fusões e internacionalização vai avançar sem privados. O Portugal Growth Capital Initiative, um fundo de fundos, vai arrancar com 100 milhões de euros e pretende mobilizar cerca de 300 milhões para financiar PME portuguesas, apurou o ECO. Esta é uma ambição revista em baixa tendo em conta os efeito da pandemia na economia.

O instrumento foi anunciado pelo Executivo em dezembro do ano passado, e avançado em primeira mão pelo ECO. Na altura, estavam em cima da mesa 50 milhões do Fundo Europeu de Investimentos (FEI) e 50 milhões do Fundo de Fundos para a Internacionalização, que é gerido pela Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD), vulgarmente conhecida como banco de fomento. O objetivo era levantar no mercado mais 30 a 50 milhões de euros de privados. No conjunto, a meta era mobilizar cerca de 500 milhões de euros.

Mas o mundo mudou. E se em dezembro já se notava alguma dificuldade em mobilizar os privados, tal como o ECO deu nota, depois da pandemia de Covid-19, que ameaça atirar a economia mundial para a pior recessão desde a Segunda Guerra Mundial, essa é uma carta fora do baralho. Assim, os mesmos 100 milhões vão alavancar cerca de 300.

Este fundo de fundos vai investir em PME e midcaps, ou seja, empresas que têm até três mil trabalhadores. E esta é a grande diferença face ao Portugal Tech, o programa de investimento de 100 milhões de euros que investe em startups na área da tecnologia.

Tal como o Portugal Tech não faz chegar apoios diretamente às empresas portuguesas, o Portugal Growth Capital Initiative também vai escolher capitais de risco que tenham mais know-how nas diferentes áreas e acesso a capital privado. A escolha das capitais de risco deverá caber ao FEI, do conjunto de equipas privadas que se acreditam junto do fundo para receber financiamento. Bastará escolher os fundos nacionais. No caso do Portugal Tech as capitais de risco especializadas escolhidas foram a Indico Capital Partners, Armilar Venture Partners e Vallis Capital Partners.

o Portugal Venture Capital Initiative (PVCi), o primeiro fundo de fundos português, com 111 milhões de euros, investiu em sete fundos que, por sua vez, investiram em 50 empresas. Mas em Portugal nem todas as empresas veem com bons olhos a entrada de capital de risco, tendo em conta as exigências que isso acarreta. Por ano, são feitos cerca de 20 investimentos de private equity no país.

O montante de 100 milhões de euros com que nasce o Portugal Growth Capital Initiative explica-se pela resistência que o tecido empresarial tem a este tipo de investidores, mas há a possibilidade de vir a ser revisto em alta. O PSD, no conjunto de instrumentos que vai sugerir ao Executivo para capitalizar empresas com dificuldades financeiras causadas pela pandemia de Covid-19, incluí um reforço do Portugal Growth Capital Initiative. “Propõe-se que o Estado compense a ausência de privados e reforce a participação nacional de forma a chegar aos 250 milhões de euros”, sugeria o partido numa nota divulgada à imprensa no domingo.

Ao que o ECO apurou, o montante não é descabido, havendo no país capacidade de absorção de capital público e europeu numa lógica de três anos. Mas ainda que o efeito de oferta possa gerar procura, há sempre o risco de investir em empresas de menor valor caso a oferta seja excessiva. Por outro lado, tendo em conta a atual situação do mercado, tanto o BEI como o FEI poderão ser chamados a assumir posições mais significativas nos fundos face ao que é habitual nestes casos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fundo de 100 milhões para ajudar a fusão de empresas avança sem privados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião