Juros da dívida sobem. Taxa a 10 anos acima de 1%

Subida dos juros da dívida dos países dos euro acontece depois de a Comissão Europeia ter apresentado as suas previsões de primavera, onde alertou para a maior recessão que a região já enfrentou.

Os juros da dívida dos países do euro estão em alta. Registam-se subidas nas taxas de mercado de praticamente todos os soberanos, sendo mais expressivas no caso dos países do sul da Europa, com a yield da dívida portuguesa a 10 anos a superar novamente a fasquia de 1%.

Os juros das obrigações do Tesouro a 10 anos avançavam para 1,01%, de acordo com dados da Bloomberg. Há um agravamento de seis pontos base, semelhante ao registado pelos títulos de Espanha. A taxa a 10 anos do país vizinho está, contudo, abaixo de 1%, em 0,9%.

O agravamento dos juros da dívida é comum à generalidade dos países europeus, mas bem menos expressivo no caso de França ou da Alemanha. A yield das Bunds a 10 anos sobe dois pontos mas continua abaixo de zero, em -0,5%.

Esta subida dos juros da dívida acontece depois de a Comissão Europeia ter apresentado as suas previsões de primavera, onde alertou para a maior recessão que a região já enfrentou.

A economia da Zona Euro deverá registar uma contração de 7,7%, com países como Grécia, Itália e Espanha a registarem uma quebra de mais de 9% do PIB em resultado da crise provocada pelo Covid-19.

Ao mesmo tempo, a pesar nos juros da dívida está a decisão do Tribunal Constitucional alemão que veio desafiar o programa de compra de ativos do Banco Central Europeu. Apesar da autoridade monetária manter o compromisso com a compra de dívida, os investidores receiam os próximos capítulos deste embate.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juros da dívida sobem. Taxa a 10 anos acima de 1%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião