Teletrabalho: a nova rotina dos advogados. Edição de maio da Advocatus

Como estarão os escritórios de advogados a reagir ao novo método laboral, o teletrabalho? Descubra isto e muito mais na edição de maio da Advocatus.

A Advocatus fez uma ronda pelo mercado da advocacia de negócios para saber como estão a lidar os escritórios com o regime de teletrabalho, imposto pelo estado de emergência que durou até este mês. Para isso, desafiou dez escritórios a responder às mesmas questões.

A sociedade está toda em regime de teletrabalho? Se não, que tipo de serviços estão a funcionar nas instalações? Qual foi a orientação interna dada a partir do momento em que foi decretado o estado de emergência? Os advogados que estão com mais pico de trabalho são de que departamentos? E os com menos volume de trabalho? Descubra as respostas na edição de maio da Advocatus.

Duarte Martins, Francisco Martins Caetano, Jaime Lino Neto e João Mascarenhas. Sabe o que têm em comum? São os quatro advogados, trabalham em escritórios multinacionais e partiram para outro país para exercer advocacia. A procura por melhores oportunidades, novos projetos e o alcance de um desejo pessoal foram os principais fatores que os motivaram a rumarem para outro ordenamento jurídico – Madrid, Barcelona, Londres e Timor. A Advocatus foi conhecer a história destes quatro advogados.

“A agenda verda dos escritórios de advogados” é outro dos temas em destaque na edição 116.º da Advocatus. Em 2020, Lisboa é a Capital Verde Europeia. Numa era onde as alterações climáticas são um tema diário, a Advocatus explica como é que as sociedades de advogados estão a acompanhar o assunto.

O negócio do mês da 116.ª edição é sobre o desbloqueamento do Programa de Renda Acessível em Lisboa. Uma equipa de quatro advogados de direito público da TELLES foi o que foi necessário para assessorar o município de Lisboa na reversão, junto do Tribunal de Contas, da decisão daquele tribunal que bloqueava o Programa de Renda Acessível em Lisboa. Esta decisão vai permitir mobilizar no setor imobiliário 708 milhões de euros de investimento total privado.

Miguel de Almada é o advogado do mês desta edição. O sócio coordenador da área de litígios e arbitragem da Cuatrecasas esteve à conversa com a Advocatus e garantiu que o setor não será o mesmo depois do Covid-19. O advogado que lidera a Task Force Coronavírus da firma admite que em tempos de dificuldade a exigência “é maior e a qualidade e preparação tendem a marcar mais a diferença”.

Miguel de Almada, sócio da Cuatrecasas

A sociedade de advogados Kennedys lançou a Plataforma QI que pretende inovar tecnologicamente o setor. À Advocatus, o sócio Paulo Almeida prevê que a médio/longo prazo o principal desafio da firma seja reforçar a sua presença e crescer em Portugal. Descubra todos os pormenores na rubrica “sociedade do mês”.

Matilde Cortez Pinto, associada da PLMJ, e Margarida Couto, sócia da VdA, são apenas dois dos vários rostos que assumem casos pro bono em Portugal. A Advocatus foi também conhecer o lado solidário da advocacia.

A Advocatus de maio encontra-se nas bancas a partir de quinta-feira. Assine a revista aqui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Teletrabalho: a nova rotina dos advogados. Edição de maio da Advocatus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião