Antes do pico da pandemia, já havia 370 mil famílias sem conseguir pagar o crédito ao consumo

Número de famílias em incumprimento com as prestações do crédito ao consumo ascendia a 370 mil no final de março. Desde maio de 2018 que não havia um número tão elevado.

A pandemia faz temer relativamente àquela que será a capacidade de as famílias portuguesas conseguirem cumprir com os compromissos financeiros com a banca devido às dificuldades económicas. E os números mais recentes não são propriamente animadores, sobretudo no que respeita ao crédito ao consumo. Em março, ainda não tinha sido atingido o pico da pandemia, e já existiam mais de 370 mil famílias em falha com o pagamento das prestações dos empréstimos com esse fim. Trata-se de um máximo de quase dois anos.

Dados disponibilizados pela entidade liderada por Carlos Costa apontam para a existência de 370.327 devedores em incumprimento no pagamento dos respetivos encargos com o crédito ao consumo no final de março. Este número representa uma subida de 23.351 face aos 346.975 devedores que se encontravam nessa situação no final do ano passado. É também, em termos mensais, o número mais alto desde maio de 2018.

O aumento do número de incumpridores com o crédito ao consumo acumulados ao longo dos três primeiros meses deste ano dá ainda seguimento ao agravamento já observado no ano passado, e após seis anos consecutivos em que se registaram quebras.

Evolução do incumprimento no crédito ao consumo

Fonte: Banco de Portugal

Essa evolução enquadra-se num contexto de aceleração da nova concessão de empréstimos ao consumo. No ano passado, os bancos disponibilizaram 5.245 milhões de euros em empréstimos com esse fim, um aumento de 12,55% face a 2018, e o montante mais elevado desde 2005. Nos três primeiros meses deste ano, manteve-se o crescendo, com um total de 1.350 milhões de euros concedidos. Será necessário recuar até ao trimestre homólogo de 2003 para assistir a um valor superior.

Após constatar uma aceleração da taxa de crescimento da concessão de crédito ao consumo na fase final de 2019, o Banco de Portugal decidiu mesmo reforçar a sua medida macroprudencial para o crédito, focando as suas atenções precisamente nos empréstimos para consumo. No final de janeiro anunciou a criação, no âmbito da recomendação, de um teto máximo às maturidades no crédito pessoal e a limitação da concessão em empréstimos com taxas de esforço mais elevadas.

A medida entrou em vigor a 1 de abril, sendo que o regulador decidiu flexibilizar alguns dos critérios definidos nesta recomendação macroprudencial para ajudar famílias durante a pandemia. Decidiu em concreto que os créditos pessoais com maturidades até dois anos “devidamente identificados como destinados a mitigar situações de insuficiência temporária de liquidez por parte das famílias”, deixem de ter de cumprir um limite ao rácio entre o montante total das prestações mensais associadas a todos os empréstimos detidos pelo cliente e o seu rendimento mensal líquido.

Certo é que perante o agudizar da situação económica de muitas famílias que sofreram perdas de rendimento, se encontrem em situação de lay-off ou mesmo no desemprego em resultado dos efeitos da pandemia, à uma pressão adicional no sentido de um agravamento das situações de incumprimento com os créditos.

Tendo em conta essas circunstâncias, os bancos avançaram mesmo com uma moratória específica para o crédito ao consumo, visando permitir aos seus clientes em dificuldades adiar durante a fase aguda da crise pandémica o pagamento das prestações. Contudo, o cenário que as famílias portuguesas não é propriamente animador, com as previsões a apontarem para que Portugal mergulhe este ano na pior recessão desde a Grande Depressão na fase inicial do século XX.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Antes do pico da pandemia, já havia 370 mil famílias sem conseguir pagar o crédito ao consumo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião