Marcelo confirma segunda fase da reabertura a 18 de maio. Desconfinamento foi “muito contido”

À saída de mais uma reunião sobre o desconfinamento, Marcelo Rebelo de Sousa confirmou aos jornalistas que a segunda fase de reabertura da economia arrancará mesmo a 18 de maio.

O Presidente da República participou, esta quinta-feira, em mais uma reunião sobre o desconfinamento do país e à saída confirmou que a segunda fase de retoma da economia irá mesmo acontecer a partir da próxima segunda-feira, dia 18 de maio. Marcelo Rebelo de Sousa disse que na primeira fase, começada no início de maio, os portugueses foram “sensíveis” ao pedido de “fazer a abertura por pequenos passos”.

O calendário de desconfinamento foi conhecido no final de abril, mas o Governo tinha deixado claro que, caso a primeira fase de reabertura fosse sinónimo de um aumentar dos casos de infeção, estaria em cima da mesa a possibilidade de dar um passo atrás e não prosseguir com essa retoma da economia.

Essa primeira fase arrancou no início de maio com a abertura do comércio local, cabeleireiros, livrarias e comércio automóvel. A início da segunda fase está marcado para a segunda-feira, dia 18 de abril, com a abertura de restaurantes, de museus e dos estabelecimentos de ensino do 11º e 12º ano. E segundo Marcelo Rebelo de Sousa os números permitem a concretização desse calendário, não justificando passos atrás.

O chefe de Estado sublinhou que a primeira fase de desconfinamento foi “muito contida”, tendo os portugueses sido “sensíveis” ao pedido de “fazer a abertura por pequenos passos”. Ainda assim, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou que não existem “muitos dados que permitam retirar conclusões firmes” sobre o impacto dessa reabertura na evolução da pandemia de coronavírus em Portugal.

O começo da terceira fase do desconfinamento está marcado para 1 de junho e ficará marcado pelo regresso aos escritórios dos milhares de trabalhadores que foram obrigados a ficar em teletrabalho.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo confirma segunda fase da reabertura a 18 de maio. Desconfinamento foi “muito contido”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião