Controlar o Covid-19 exige mais lixívia e detergentes. Como fica o ambiente?

Diz a DGS que a lixívia é um "desinfetante doméstico forte, eficaz a eliminar o SARS-CoV-2". No entanto, "em concentrações elevadas pode ser nociva para o utilizador, além de poluir o meio ambiente".

As preocupações com o ambiente não foram esquecidas no primeiro volume do manual “Saúde e Atividades Diárias – Medidas Gerais de Prevenção e Controlo da COVID-19”, publicado esta quinta-feira pela Direção-Geral da Saúde com recomendações para os comportamentos que se devem adotar ao longo do dia, a partir de agora. Este primeiro documento da DGS inclui conselhos que vão desde o uso de máscara em diferentes contextos, passando pela lavagem das mãos, até ao distanciamento social e o tratamento de resíduos.

Sabia, por exemplo, que os anéis, pulseiras e relógios devem ser retirados quando se lava as mãos e desinfetados depois? E que a lixivia deve ser diluída sempre em água fria para não perder capacidade de eliminar o vírus que provoca Covid-19?

Sobre a lixívia, diz a DGS que é um “desinfetante doméstico forte, cujo principal ingrediente é o hipoclorito de sódio, que é eficaz a eliminar o SARS-CoV-2. A sua utilização deve ser cuidadosa, uma vez que em concentrações elevadas pode ser nociva para o utilizador, além de poluir o meio ambiente“.

Siga as dicas da Direção Geral de Saúde para proteger a família e também o ambiente:

  • A lixívia deve ser diluída em água fria, uma vez que a água quente a torna ineficaz e aumenta a sua volatilidade, ou seja, facilita que passe da sua
    forma líquida a gasosa, promovendo a libertação de gases tóxicos;
  • Ao aplicar lixívia, ou outro produto semelhante, deve ter em conta o recomendado na ficha de dados de segurança do produto, nomeadamente abrir as janelas para arejar e renovar o ar, evitando inalar a lixívia e o contacto com os olhos e a pele, ajudando também a secar mais rapidamente as superfícies;
  • A desinfeção com lixívia é especialmente importante em locais onde houver a presença de uma pessoa com COVID-19. Para utilização no domicílio de uma pessoa com COVID-19, deve-se diluir 1 parte de lixívia (com uma concentração original de 5%) em 99 partes iguais de água, ou seja, 4 colheres de chá de lixívia num 1 litro de água.
  • Todas as superfícies podem ser veículos de contágio. No entanto, o risco varia consoante a sua frequência de manipulação, toque ou utilização. Deve limpar e descontaminar as zonas de contacto frequente, como por exemplo maçanetas das portas, corrimões, interruptores de luz, comandos ou teclados;
  • As áreas de confeção de alimentos e instalações sanitárias também devem ser descontaminadas com regularidade. A limpeza deve ser realizada sempre no sentido de cima para baixo e das áreas mais limpas para as mais sujas;
  • Comece por lavar com detergente de uso doméstico e de seguida aplique lixívia diluída em água, deixando atuar 10 minutos. No caso de
    uma habitação em que nenhum dos coabitantes está infetado, não é estritamente necessário utilizar lixívia;
  • Quanto à roupa, ainda não há certeza sobre o tempo de sobrevivência do SARS-CoV-2 nos diferentes materiais. Só é necessário descontaminar a roupa em casos de: doente com COVID-19 e respetivo cuidador; profissional de saúde; outras pessoas que possam ter estado em contacto com pessoas ou superfícies contaminadas.
  • Quando colocar a roupa a lavar deve: Evitar sacudir a roupa suja; Lavar preferencialmente na máquina, com a maior temperatura possível (pelo menos a 60ºC durante 30 minutos, ou entre 80-90ºC, durante 10 minutos para descontaminar através da temperatura);
  • Caso não seja possível lavar a altas temperaturas e precise de descontaminar a roupa, use um produto desinfetante próprio para roupas
    (como por exemplo, lixívia).
  • Se utilizar uma lavandaria pública deve: Organizar as suas roupas antes de ir à lavandaria, de forma a só precisar de as colocar na máquina quando estiver no local. Dobrar as roupas limpas em casa, para reduzir o tempo de permanência na lavandaria e o número de superfícies em que toca;
  • Usar lenços ou um desinfetante das mãos para limpar os puxadores das máquinas e os botões antes de os utilizar ou, se a lavandaria tiver um
    lavatório, lavar as mãos com sabão após tocar nas máquinas;
  • Manter uma distância de 1,5-2 metros, ou esperar do lado de fora ou noutro local, se estiverem outras pessoas na lavandaria;
  • Quanto aos sistemas de ventilação e ar condicionado, em espaços fechados, deve abrir as portas ou janelas para manter o ambiente limpo, seco e bem ventilado. Caso não seja possível, deve assegurar o funcionamento eficaz do sistema de ventilação, assim como a sua limpeza e manutenção:
  • Mantenha os locais ventilados (pelo menos, 6 renovações de ar por hora), abrindo janelas e/ou portas. Se necessitar de usar um sistema de ventilação de ar forçado, assegure-se que o ar é retirado diretamente do exterior e não ative a função de recirculação do ar;
  • Os sistemas de ventilação e ar condicionado devem ser sujeitos, de forma periódica, a limpeza e desinfeção. É recomendado que desligue a função de desumidificação, do sistema de ventilação e ar condicionado. Deve reforçar a desinfeção do reservatório de água condensada e da água de arrefecimento das turbinas do ventilador.
  • Por fim o lixo e outros resíduos. Se for um caso confirmado ou suspeito de Covid-19 deve utilizar um caixote do lixo com uma tampa, preferencialmente de abertura não manual (ex: com pedal). Caso não tenha um caixote de abertura não manual, lave as mãos antes e depois da sua utilização;
  • Ter um saco de plástico dentro do caixote. Este saco deve ser cheio até no máximo 2/3 da sua capacidade. Fechar bem o saco de plástico com dois nós bem apertados e, preferencialmente, com um atilho ou adesivo. O primeiro saco de plástico deve ser colocado dentro de um segundo saco, igualmente bem fechado;
  • Os resíduos nunca devem ser calcados, nem deve apertar o saco para sair o ar. Limpar e desinfetar os caixotes do lixo com regularidade. Estes resíduos devem ser descartados em contentores coletivos de resíduos, após 24 horas da sua produção (nunca no ecoponto).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Controlar o Covid-19 exige mais lixívia e detergentes. Como fica o ambiente?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião