FIFA pretende arrecadar receitas com um jogo à escala global

  • Lusa
  • 18 Maio 2020

Organismo gerido por Gianni Infantino quer reforçar ajuda no combate à pandemia e para isso vai arrecadar fundos através da organização de um jogo de futebol a realizar “assim que a saúde o permitir".

A FIFA pretende reforçar a ajuda no combate à pandemia de covid-19 e para isso vai arrecadar fundos através da organização de um jogo de futebol que será realizado “assim que a saúde o permitir”.

“Estamos comprometidos em organizar um evento global para arrecadar fundos assim que a situação da saúde o permitir, mesmo que ainda tenhamos que esperar alguns meses”, disse o presidente, Gianni Infantino, em comunicado.

O organismo que rege o futebol mundial já contribuiu com 9,2 milhões de euros para a Organização Mundial de Saúde (OMS) e agora pretende fomentar “uma iniciativa global que visa acelerar o desenvolvimento, a produção e o acesso internacional equitativo às tecnologias essenciais de saúde para combater o coronavírus (diagnóstico, tratamento, vacina)”.

Uma vez que o covid-19 continua a impor muitas restrições em viagens a nível mundial, nem a data nem o local possível deste jogo foram especificados.

“Vários cenários e projetos estão a ser estudados atualmente”, acrescentou o ex-internacional francês Youri Djorkaeff, presidente da Fundação FIFA.

Após a declaração de pandemia, em 11 de março, as competições desportivas de quase todas as modalidades foram disputadas sem público, adiadas – Jogos Olímpicos Tóquio2020, Euro2020 e Copa América -, suspensas, nos casos dos campeonatos nacionais e provas internacionais, ou mesmo canceladas.

Os campeonatos de futebol de França, Países Baixos, Bélgica e Escócia foram cancelados, enquanto outros países preparam o regresso à competição, com fortes restrições, como sucede em Inglaterra, Itália, Espanha e Portugal, que tem o reinício da I Liga previsto para 4 de junho, depois de a Liga alemã ter sido retomada no sábado.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 315.000 mortos e infetou mais de 4,7 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 1,7 milhões de doentes foram considerados curados.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FIFA pretende arrecadar receitas com um jogo à escala global

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião