Falta de máscaras, viseiras, desinfetante e restrições de espaço. 75% das empresas com dificuldades em cumprir regras para abrir portas

Nove em cada dez empresas estão já a trabalhar, depois de o estado de emergência ter encerrado parte da economia. Mas muitas delas estão a ter dificuldades em cumprir novas regras sanitárias.

Nove em cada dez empresas estão já em funcionamento, mas a maioria está a ter dificuldades em cumprir as novas sanitárias obrigatórias para a reabertura da atividade. Queixam-se da falta de máscaras, viseiras e desinfetante e também das restrições no espaço físico e dos custos elevados, fatores que estão a dificultar a retoma após o estado de emergência ter fechado parte da economia.

Segundo um inquérito do Banco de Portugal e Instituto Nacional de Estatística (INE), mais de 75% das empresas referiram que a indisponibilidade de material de proteção individual (máscaras, viseiras, desinfetante, etc.), as restrições no espaço físico e os custos elevados eram situações muito relevantes ou relevantes para a dificuldade de cumprimento dos requisitos para a retoma da atividade.

Comércio está de volta

O mesmo inquérito mostra que 90% das empresas estão a funcionar, mais 6 pontos percentuais do que na quinzena anterior. Salienta-se o regresso do setor do Comércio, onde a percentagem de estabelecimentos abertos aumentou de 84% para 92%. Já a percentagem de empresas encerradas (temporária ou definitivamente) no setor do Alojamento e restauração continuou a ser significativamente mais alta (56%).

Estes dados dizem respeito à primeira quinzena de maio, ou seja, à primeira fase do plano de desconfinamento traçado pelo Governo para a retoma da economia e durante a qual lojas de rua, pequeno comércio, cabeleireiros, esteticistas puderam já reabrir portas.

Só na segunda fase, que se iniciou esta segunda-feira, é que restaurantes e cafés e lojas até 400 metros quadrados tiveram autorização para abrir novamente.

Apesar da reabertura gradual da atividade, 77% das empresas continuaram a reportar um impacto negativo no volume de negócios, mas a situação parece ter estabilizado face à segunda quinzena de abril. A larga maioria aponta para uma estabilização (41%) ou uma variação pequena (41%) da faturação.

Metade das empresas com redução de pessoal

Além disso, o regresso está a ser feito a meio gás em termos de pessoal: metade das empresas continuam com redução de trabalhadores ao serviço, representando 71% do total do pessoal ao serviço das empresas respondentes. Uma percentagem também significativa (47%) reportou ausência de impacto da pandemia no pessoal ao serviço (25% do total do pessoal).

Das empresas que registaram um aumento no pessoal ao serviço efetivamente a trabalhar, 70% delas destacou o impacto positivo do lay-off criado pelo Governo para agilizar a suspensão ou redução temporária dos contratos de trabalho durante a pandemia.

Com a indicação do Governo para as empresas manterem os colaboradores a trabalharem remotamente, mais metade seguia a laborar em teletrabalho, enquanto 46% das empresas reportaram a existência de pessoal a trabalhar em presença alternada nas instalações da empresa devido à pandemia.

(Notícia atualizada às 11h54)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Falta de máscaras, viseiras, desinfetante e restrições de espaço. 75% das empresas com dificuldades em cumprir regras para abrir portas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião