Regina Duarte abandona Governo de Bolsonaro

A atriz Regina Duarte vai deixar o comando da Secretaria especial da Cultura para assumir funções na Cinemateca Brasileira. Decisão foi comunicada esta quarta-feira pelo Presidente brasileiro.

Pouco mais de dois meses depois de tomar posse, a conhecida atriz Regina Duarte vai deixar de dirigir os destinos da Cultura no Brasil para assumir funções na Cinemateca Brasileira, em São Paulo. A decisão foi comunicada por Jair Bolsonaro, na rede social Twitter.

Segundo o Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, esta decisão é justificada, pelo facto de a atriz sentir saudades da família, alegando, assim, motivos pessoais. Regina Duarte assumiu o comando da Secretaria especial da Cultura (o equivalente a ministra da Cultura em Portugal), a 4 de março de 2020. A atriz tinha sido escolhida para “pacificar” a relação do Governo com o setor.

Agora, Regina Duarte vai assumir funções na Cinemateca Brasileira, em São Paulo, uma entidade responsável pela preservação da produção audiovisual brasileira e vinculada à Secretaria da Cultura.

A eventual saída de Regina Duarte já era levantada há algumas semanas pela imprensa brasileira, tendo em conta algumas decisões do Governo brasileiro. Entre as quais a renomeação do maestro e youtuber Dante Mantovani para dirigir a Funarte (Fundação Nacional das Artes) que tinha sido demitido por Regina Duarte logo no primeiro dia no cargo. Além disso, a entrevista concedida pela atriz à CNN Brasil no início do mês, em que esta desvalorizou a prática de tortura durante a Ditadura Militar, poderá ter sido a gota de água.

Num curto espaço de tempo, esta é a quarta saída de membros do Governo brasileiro. A 17 de abril, o antigo ministro da saúde Luiz Henrique Mandetta apresentou a demissão por discordar das medidas tomadas por Jair Bolsonaro relativas à contenção da pandemia no país. Madetta foi posteriormente substituído por Nelson Teich, que também se demitiu este mês na sequência de divergência com o Presidente.

Além disso, também Sergio Moro, antigo ministro da Justiça, apresentou a demissão depois de conhecidas as intenções do Presidente do Brasil de demitir o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, que tinha sido nomeado por Moro e era um homem da confiança do antigo juiz da operação Lava Jato.

(Notícia atualizada às 15h02)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Regina Duarte abandona Governo de Bolsonaro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião