Sete em dez empresas portuguesas prevê quebra de lucros superior a 10%

Maioria dos responsáveis financeiros das empresas portuguesas prevê cortar custos e investimentos para fazer face à redução do negócio provocada pela pandemia do novo coronavírus.

Os administradores financeiros em Portugal não têm grandes dúvidas de que a pandemia do novo coronavírus vai afetar o negócio. Quase sete em cada dez empresas portuguesas preveem uma redução dos lucros ou receitas superior a 10% por causa da crise, de acordo com o inquérito da auditora PwC aos chief financial officers (CFO) em vários países, incluindo Portugal.

Em comparação com os CFO na Dinamarca e Alemanha, “países que fizeram progressos notáveis na reabertura”, os gestores portugueses estão mais pessimistas em relação ao impacto do Covid-19 nas receitas: apenas 26% dos CFO portugueses preveem uma diminuição inferior a 10%, ao passo que há mais dinamarqueses (31%) e alemães (27%) com essas previsões.

Tudo somado, 85% dos responsáveis financeiros em Portugal assumem a diminuição do negócio como um dado adquirido, segundo o mesmo inquérito.

Perspetivando uma menor volume de negócios, as empresas contam reduzir os investimentos e cortar custos para enfrentar a crise: 83% dos CFO admitem que a contenção de custos é a principal medida de resposta (compara com 81% nos vários países); 61% deverão adiar ou cancelar os investimentos previstos.

Se a crise do Covid-19 terminasse imediatamente, seis em cada dez responsáveis financeiros em Portugal estimariam um regresso à normalidade num prazo entre três meses e mais de um ano, uma estimativa em linha com os outros países.

Como impactos positivos, as empresas diz que estão hoje em dia numa melhor posição de resiliência e agilidade a longo prazo (72%) e apresentam uma maior flexibilidade do trabalho (70%).

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Sete em dez empresas portuguesas prevê quebra de lucros superior a 10%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião