Caixa sem data para relançar venda do banco no Brasil

Propostas para a compra do Banco Caixa Geral Brasil não convenceram. Agora haverá novo processo de venda do negócio brasileiro. Não há data de início, mas objetivo é concluir operação ainda este ano.

Não há data para a Caixa Geral de Depósitos (CGD) relançar a venda do seu banco no Brasil. Depois de ter rejeitado as propostas do primeiro concurso, o Governo determinou novo processo de alienação do Banco Caixa Geral Brasil, mas só quando estiverem reunidas as condições, tendo em conta a atual pandemia do novo coronavírus.

O Executivo rejeitou na semana passada, em Conselho de Ministros, as propostas apresentadas para a compra do banco brasileiro na semana passada, porque não estava “garantida, à luz do interesse público, a concretização dos objetivos subjacentes ao processo de alienação”.

O Banco Luso-Brasileiro, do grupo Amorim, o Banco ABC Brasil e o fundo Artesia eram os três candidatos à compra do Banco Caixa Geral Brasil, mas as propostas não agradaram, com o Governo a seguir a posição do banco público liderado por Paulo Macedo.

O relançamento do processo de venda da operação no Brasil, prevista no plano de reestruturação da CGD acordada entre Governo e Comissão Europeia, aguarda assim por uma normalização das condições do mercado.

Em Diário da República lê-se que fica previsto o “relançamento, por parte da CGD, do processo de alienação das ações representativas da totalidade do capital social da sociedade Banco Caixa Geral – Brasil, quando estejam reunidas as condições de mercado, tendo em conta o atual contexto epidemiológico, em termos e condições a definir”.

Venda até final do ano

No início do mês, o ECO questionou o banco sobre o processo de venda do Banco Caixa Geral Brasil, nomeadamente em relação à intenção de alienação do banco até final do ano, como foi indicado no Relatório e Contas de 2019 publicado dias antes.

Fonte oficial do banco explicou na altura que a informação constante do relatório se mantinha “atual”, mesmo depois de a administração ter entregado ao Governo a recomendação de não vender o banco. Ou seja, não havendo data de início do processo, o objetivo é vender o negócio no Brasil ainda no decorrer de 2020.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caixa sem data para relançar venda do banco no Brasil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião