Transportadores de passageiros querem ser integrados nos apoios ao turismo

  • Lusa
  • 21 Maio 2020

“Se nada for feito até ao final do primeiro semestre, mais de 1.500 pessoas podem ser despedidas”, adverte o presidente da ARP, José Luís Carreira.

A Associação Rodoviária de Transportadores Pesados de Passageiros (ARP) pediu esta quinta-feira ao Governo que o setor seja integrado nas medidas previstas para apoiar o turismo e abrangido pelo selo sanitário “Clean & Safe”.

Se nada for feito até ao final do primeiro semestre, mais de 1.500 pessoas podem ser despedidas”, adverte o presidente da ARP, José Luís Carreira, em comunicado, realçando que a extensão do selo sanitário “Clean & Safe” a este setor seria “uma garantia de segurança” para os potenciais clientes.

E prossegue: “Fomos dos primeiros setores a ser afetados pela covid-19″. “Tudo indica, seremos dos últimos a poder regressar à normalidade laboral”, salienta o dirigente.

A ARP reivindica também o prolongamento da manutenção do lay-off por um período de nove meses e a inclusão dos sócios-gerentes nesta medida, bem como a criação de moratórias específicas para os encargos financeiros fixos durante um período de 12 meses.

“Está em causa a subsistência de centenas de famílias. Milhares de pessoas vivem angustiadas sem saber como será a sua vida a partir do segundo semestre de junho, altura em que, para algumas, termina o lay-off atualmente em vigor”, disse José Luís Carreira.

O dirigente pediu ainda o prolongamento dos contratos públicos de transporte escolar e lembrou que estas são algumas das reivindicações já entregues às secretarias de Estado da Mobilidade e do Turismo.

O presidente da ARP, ao falar da situação vivida do setor, advertiu que “a proibição das viagens turísticas nacionais e internacionais” deixou as empresas sem clientes e sem poderem faturar.

Lembrou ainda o facto de o setor ter sido “dos primeiros a sofrer as consequências económicas e financeiras deste surto” e referiu que, agora, com “o desconfinamento progressivo”, a ARP “aguarda pelas determinações” das autoridades de saúde, apesar de acreditar que o setor “irá continuar a ser afetado por vários meses”, uma vez que as viagens e a própria estadia nas unidades hoteleiras “têm fortes limitações” para os grandes grupos de turistas.

A ARP, que representa 120 empresas de transportes pesados de passageiros e emprega 3.500 pessoas, lembra que as frotas “estão paradas há quase três meses”. O comunicado refere ainda que “os parques de estacionamento estão cheios e as caixas registadoras vazias” porque, apesar de as empresas estarem em lay-off, “continuam a existir custos fixos”, nomeadamente os seguros e o ‘leasing’ dos autocarros, que têm de ser pagos pelas empresas.

A ARP frisa também que 75% das empresas suas associadas trabalham na área do turismo e “dependem muito do mercado internacional, como os Estados Unidos, Brasil, Ásia e Europa, com os seus grupos de turistas tão característicos”.

Enquanto estes grandes grupos não voltarem a viajar, vamos ser fortemente afetados, uma vez que também a nível nacional não haverá visitas de estudo, nem atividade de praia para as crianças, ou os alugueres habituais de um e dois dias por nacionais, as peregrinações, as viagens de incentivo das empresas para os seus funcionários”, lê-se no comunicado.

O presidente da ARP referiu ainda que “é fundamental que o Governo olhe para o transporte pesado de passageiros como uma atividade essencial ao turismo e que, por isso, deve ser um parceiro a ouvir na definição de estratégia para relançamento da atividade económica”.

No comunicado, a ARP defende também que o Código de Atividade Económica deva ser incluído nas medidas já definidas ou a definir para apoio ao turismo. Alega que em cima da mesa estão ainda outras reivindicações antigas, nomeadamente a revisão da Lei do Transporte Coletivo de Crianças e a atribuição de descontos nas portagens.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Transportadores de passageiros querem ser integrados nos apoios ao turismo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião