Facebook admite que estava “atrasado” no combate à desinformação

  • Lusa
  • 21 Maio 2020

Numa entrevista à BBC, o presidente executivo do Facebook admitiu que a empresa estava "atrasada" no combate à desinformação durante as Presidenciais norte-americanas em 2016.

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, reconheceu que a empresa estava “atrasada” na luta contra as interferências ocorridas durante as presidenciais norte-americanas de 2016, mas garantiu “proteção integral” nas próximas eleições.

A rede social Twitter, assim como o Facebook, foram fortemente criticadas por não terem impedido as grandes campanhas de desinformação ocorridas em 2016 e que comprometeram a campanha eleitoral nos Estados Unidos.

Em entrevista à estação pública britânica BBC, Mark Zuckerberg reconheceu que o Facebook “estava atrasado” em relação aos acontecimentos que marcaram a campanha eleitoral nos Estados Unidos, reconhecendo que impedir interferências eleitorais representa “uma corrida armamentista” contra países como a Rússia, o Irão ou a República Popular da China.

“Os países vão continuar a tentar interferir e vamos continuar a assistir a problemas deste tipo mas aprendemos muito desde 2016 e estou confiante de que podemos proteger a integridade das próximas eleições”, afirmou na entrevista transmitida hoje pela BBC. Nas próximas eleições, a 3 de novembro, nos Estados Unidos, o candidato democrata Joe Biden vai enfrentar a recandidatura do republicano Donald Trump.

Na mesma entrevista, Zuckerberg referiu-se também aos “eixos” estabelecido pelo Facebook na atual contexto da pandemia de Covid-19: remoção de “notícias falsas”, meios capazes de estabelecer contactos digitais entre as pessoas e ajuda às pequenas empresas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook admite que estava “atrasado” no combate à desinformação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião