TAP tem de pagar 8,75 milhões aos pequenos investidores. Empresa diz que “tem liquidez”

Companhia aérea tem 200 milhões de euros em obrigações no mercado e, dentro de um mês, terá de pagar juros desses títulos. Apoio do Estado ainda não chegou e é esperado em "meados" de junho.

Com grande parte da frota parada em terra e 90% dos trabalhadores em lay-off, as dificuldades financeiras da TAP estão a agravar-se e prestes a aumentar. A companhia aérea vai ter de pagar, a 24 de junho, 8,75 milhões de euros em juros a obrigacionistas.

Há um ano, a TAP fechava a sua primeira emissão de obrigações para o mercado retalhista, com a companhia aérea a captar 200 milhões de euros em obrigações. A companhia aérea oferecia uma taxa de juro de 4,375% aos investidores e agora chegou a altura de lhes retribuir.

Na altura, a oferta foi subscrita por 6.092 investidores de retalho (52,5% do total) e 35 institucionais portugueses e estrangeiros. Os obrigacionistas poderão já não ser os mesmos, pois os títulos transacionam em mercado secundário, onde já perderam 16% do valor face aos mil euros por obrigação no momento da emissão, segundo dados citados pelo Público.

Mas o número de obrigações vivas mantém-se e, tendo em conta a taxa oferecida, a TAP vai ter de pagar, a 24 de junho, 8,75 milhões de euros em juros. Questionada pelo ECO sobre a situação financeira, fonte oficial da empresa garantiu que “a TAP tem liquidez para pagar os juros”.

Caso a situação se agrave e a companhia não tenha possibilidade de pagar aos investidores, a TAP pode fazer como o FC Porto e convocar os obrigacionistas para uma assembleia-geral onde lhes peça um adiamento (sendo que as obrigações atingem a maturidade em 2023). Ou então, pode esperar que a intervenção do Estado chegue a tempo.

Admissão à negociação da linha Obrigações TAP 2019-2023 a 19 de junho de 2019.

O Governo está a trabalhar com a administração da TAP numa operação de capitalização da companhia que é detida em 50% pelo Estado, em 45% pela Atlantic Gateway e estão 5% nas mãos de trabalhadores. Na semana passada, o secretário de Estado do Tesouro, Álvaro Novo, confirmou no Parlamento que o Governo já recebeu um pedido inicial que “versava sobre várias matérias”, entre elas “a garantia de Estado a um empréstimo que a TAP pretende obter”.

Como o ECO noticiou, além de um empréstimo e da capitalização através de vários instrumentos de capital, o Governo está a preparar uma ajuda de emergência. A intenção é a de transferir, já nas próximas semanas, uma primeira tranche de emergência, para evitar que a TAP entre em incumprimento das suas obrigações, numa ajuda total que deverá rondar os 1.000 milhões de euros.

O ministério das Finanças garantiu, na terça-feira, ao ECO que “não foi feito qualquer empréstimo à TAP“, apontando para as declarações do secretário de Estado na Assembleia da República. Álvaro Novo explicou que a expectativa do Governo é concluir a fundamentação do pedido ainda em maio e de encetar negociações com a Comissão Europeia para que o apoio público se concretize em “meados de junho”.

(Notícia atualizada às 10h20 com resposta da TAP)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

TAP tem de pagar 8,75 milhões aos pequenos investidores. Empresa diz que “tem liquidez”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião