Startup sul-africana quer produzir proteína para consumo humano a partir de larvas

  • ECO
  • 24 Maio 2020

A Susento quer fazer criação de insetos para produzir uma proteína para consumo humano, que poderá ser usada em bebidas e alimentos energéticos.

Uma startup de África do Sul acredita que as larvas são capazes de produzir uma proteína de alta qualidade que pode ser usada em alimentos e bebidas desportivas. De acordo com a Bloomberg (acesso condicionado, conteúdo em inglês), a Susento já está a tentar produzir esta proteína para consumo humano a partir de insetos e acredita que terá isso pronto até ao final do ano.

Se tudo correr como planeado, a Susento será a primeira empresa em África a produzir proteína de inseto. Atualmente, há empresas que já produzem esta proteína através de larvas da mosca soldado-negro, mas que é usada apenas em alimentos para animais e peixes. As proteínas das larvas podem ser colhidas de maneira sustentável, dado que as moscas são alimentadas com resíduos.

A Susento nasceu, em parte, na Universidade Stellenbosch, perto da Cidade do Cabo, e os fundadores estão a tentar arrecadar 683.000 dólares (626.000 euros) ainda este mês para conseguirem criar instalações de produção na província de Eastern Cape, diz a Bloomberg. “É a primeira ronda de financiamento”, diz Elsje Pieterse, professora do Departamento de Ciências Animais daquela universidade, e fundadora da startup.

De acordo com a responsável, o pó produzido “não tem sabor ou cheiro e pode ser usado em alimentos salgados ou doces” como chocolate. É uma proteína de alta qualidade e um terreno com um hectare de insetos pode produzir 7.500 vezes mais do que um terreno de soja do mesmo tamanho, referiu. A startup espera que as novas instalações comecem a produzir em dezembro e o objetivo é colher 30 toneladas de proteína por mês.

Atualmente, a Susento já produz cerca de três toneladas de proteína por mês na universidade, que é principalmente usada em alimentos para animais. Para além desta startup, há outras empresas que também produzem insetos em África do Sul, como a Insecto e a AgriProtein.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Startup sul-africana quer produzir proteína para consumo humano a partir de larvas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião