Férias e escapadinhas? Estas companhias aéreas já estão a bater as asas

O desconfinamento em curso já ditou a retoma de alguns voos e o anúncio de planos para o regresso de outros. Para quem anseia viajar, o ECO reuniu alguma da informação pública já disponível.

Dois meses depois das medidas de confinamento em Portugal, muitos cidadãos estão cansados do confinamento e com expectativa de poderem voltar a sair do país. E apesar de o coronavírus continuar ativo na Europa sem fronteiras, certo é que algumas companhias aérea já têm planos para a retoma dos voos.

Com base na informação que tem sido divulgada por estas empresas, o ECO fez uma lista com algumas companhias aéreas que já estão a voar de e para Portugal, ou que tencionam voltar a fazê-lo nos próximos tempos. Saiba também que planos de retoma das operações já foram anunciados por estas empresas.

Porém, antes de reservar, certifique-se de que tem toda a informação sobre as medidas de segurança a tomar. Além disso, para evitar surpresas, garanta que conhece todas as restrições que ainda estejam em vigor no destino pretendido.

TAP

A TAP tem estado no centro da agenda mediática devido às dificuldades financeiras que atravessa, pelo que é fácil esquecer que estamos a falar de uma companhia aérea. A operação do grupo parou praticamente no pico da pandemia, mas a empresa liderada por Antonoaldo Neves já voltou a bater as asas.

  • O plano completo de retoma de voos da TAP decorre em três fases. Na primeira delas, até ao fim de maio, a empresa espera operar um total de 18 voos, incluindo para Londres e Paris, entre Porto e Lisboa, mais dois voos por semana para S. Paulo e um para o Rio de Janeiro (ambos os destinos no Brasil).
  • Até ao fim de junho, a TAP pretende ter em operação 27 voos semanais. Neste período, os voos entre Lisboa e Madeira passam a ser diários e a empresa começará a operar dois voos por semana para Nova Iorque (EUA) e um voo por semana para Maputo (Moçambique). A partir de 15 de junho, a TAP volta a viajar também para Luanda (Angola).
  • Em julho, a TAP planeia repor mais alguns voos intercontinentais. Aumenta a operação para o Brasil, com a reposição de voos para Recife e Fortaleza, para os Estados Unidos” (é retomada a operação para Boston, e Miami), para o Canadá (Toronto) e para África, “onde são recuperadas as ligações para Praia, São Vicente e Dakar”.
  • “À partida do Porto, além das ligações que já estão a ser realizadas para Lisboa, que aumentarão para três por dia, em julho serão já repostas as ligações diretas do Porto aos principais mercados de destino e origem de passageiros da TAP desde o aeroporto Francisco Sá Carneiro”, de acordo com a empresa. Mas, como já alertou também, a lista de rotas “pode ser ajustada sempre que as circunstâncias assim o exijam”.

Ryanair

A Ryanair também começou a operar na segunda metade de maio e Portugal está no mapa.

  • De acordo com a programação reduzida de voos da Ryanair até 28 de maio, a empresa está a operar voos entre Lisboa ou Porto e Londres.
  • A empresa opera também uma ligação entre Lisboa e Dublin, na Irlanda, o país de origem da Ryanair.
  • A empresa também já anunciou que planeia retomar “40% dos voos regulares” a partir de 1 de julho. Esta intenção está sujeita ao “levantamento das restrições de viagem nos voos intracomunitários impostas pelos Governos e da aplicação de medidas eficazes de saúde pública nos aeroportos”.
  • Com efeito, esta terça-feira, a empresa revelou que planeia também retomar, a 1 de julho, os voos diários do Norte da Europa para Portugal, Espanha, Itália, Grécia e Chipre, a partir da Irlanda, Reino Unido, Bélgica, Holanda e Alemanha.

EasyJet

A retoma dos voos da EasyJet está apontada para meados de junho, um mês em que se prevê uma aceleração do desconfinamento na Europa.

  • A empresa anunciou em comunicado que Porto e Lisboa fazem parte do plano de voos a partir de 15 de junho, data em que a empresa espera retomar seis voos semanais entre Porto e Genebra (Suíça) e um voo semanal entre Lisboa e Genebra.
  • A 15 de junho, a operação da EasyJet será “maioritariamente em rotas domésticas”, mas a companhia aérea pretende realizar “um número mínimo de rotas internacionais”.
  • “Os serviços serão operados a partir de Gatwick, Belfast, Glasgow, Edimburgo, Liverpool, Ilha de Man, Inverness, Bristol, Newcastle e Birmingham no Reino Unido. Adicionalmente, também serão retomados os voos em França desde Nice, Paris Charles de Gaulle, Toulouse, Bordéus, Nantes e Lille, além de operações desde Genebra, na Suíça, Porto e Lisboa, em Portugal, e Barcelona, em Espanha”, informou a EasyJet num comunicado.
  • Esta terça-feira, a EasyJet revelou também que vai retomar a rota Belfast – Faro a partir de 16 de junho, com uma frequência de três vezes por semana. “Também a partir da segunda quinzena de junho, a easyJet vai operar um pequeno número de voos, principalmente domésticos, desde 22 aeroportos europeus”, acrescenta a empresa.

Lufthansa

À espera de um pacote de ajuda financeira do Estado alemão, a Lufthansa já apresentou um plano para o regresso aos céus.

  • O grupo tenciona retomar os voos em meados de junho para 20 “destinos quentes”. Entre eles estará Faro, no Algarve, de acordo com informações da Reuters.
  • Fora de Portugal, na lista dos 20 “destinos quentes” da Lufthansa está também Maiorca, Creta, Rodes, Veneza, Ibiza e Málaga.

Qatar Airways

Nos planos da Qatar Airways, Portugal aparece apenas numa fase posterior de retoma das operações.

  • A Qatar Airways já antecipou que pretende voltar a voar para Portugal a partir de 1 de julho. Concretamente, durante os meses de julho e agosto, a empresa tenciona operar quatro voos semanais na rota Lisboa – Doha, introduzida pela primeira vez em março do ano passado.
  • Antes disso, em junho, a companhia aérea tenciona chegar a 80 destinos, 52 dos quais espera começar a operar até fim deste mês de maio.

Brussels Airlines

A retoma das operações da Brussels Airlines deverá arrancar a 15 de junho, depois de uma suspensão anunciada a 21 de março, quando a pandemia começou a alastrar-se com maior rapidez no continente europeu.

  • Portugal está na lista dos mercados para os quais a Brussels Airlines planeia voltar a voar a partir de 15 de junho, segundo o Business Travel News.
  • Além de Portugal, Alemanha, Suíça, Espanha e Grécia também estarão no mapa.

Transavia

A Transavia anunciou esta terça-feira o regresso de algumas rotas que passam por Portugal.

  • Segundo a empresa, as “rotas dos Países Baixos (Amesterdão) para Lisboa e Faro reabrem a 4 de junho”.
  • A empresa aponta que confirmará “em breve” a retoma e calendário das operações da Transavia France.

Emirates

Foi uma das primeiras a anunciar medidas de segurança para a retoma dos voos, incluindo a testagem dos passageiros para Covid-19 no momento do embarque.

  • A empresa já anunciou que vai retomar os voos de passageiros para nove destinos, incluindo Reino Unido e Austrália, a partir do Dubai.
  • Ainda não se conhecem os planos para Portugal, mas o ECO sabe que a empresa deverá anunciar em breve a retoma de alguns voos, envolvendo Porto e Lisboa.

(Notícia atualizada às 14h42 com mais informações)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Férias e escapadinhas? Estas companhias aéreas já estão a bater as asas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião