Pandemia pára corrida aos “Ubers”. IMT só certificou 40 motoristas no auge da pandemia

Dados do IMT sobre os novos licenciamentos de empresas de frotas e sobre as novas certificações de motoristas revelam um setor cujo crescimento foi praticamente paralisado pela pandemia.

A pandemia do coronavírus prejudicou a economia como um todo, mas alguns setores foram mais castigados do que outros. Um deles foi o dos transportes, e mais concretamente o do transporte privado, que viu o volume de viagens afundar de um dia para o outro. Mas, neste âmbito, não foi só nas viagens dos “Ubers” que o vírus teve reflexo.

Dados recolhidos pelo Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT), cedidos ao ECO, mostram que o volume de certificações e de licenças atribuídas nos meses mais afetados pelo Covid-19 caíram a pique, com variações de quase 100% em alguns casos, comparativamente com o ano passado ou com o período imediatamente anterior à pandemia.

Total de motoristas certificados

Fonte: Instituto da Mobilidade e dos Transportes

É o caso do número de novas certificações de motoristas. Os dados mostram que, em fevereiro, o IMT registou 1.211 novas certificações, um número em linha com as 1.248 registadas em janeiro deste ano. Em março, contudo, este valor caiu para 660 e, em abril, o IMT viu serem atribuídas apenas 40 certificações a novos motoristas, algo necessário para que estes cidadãos possam conduzir veículos ao serviço de empresas como a Uber, Bolt e Kapten dentro da lei. Os dados de maio referem-se apenas à parte incial do mês.

O valor de abril representa uma queda de 96% face a fevereiro, o mês imediatamente anterior ao começo do surto no país, cujo primeiro caso foi detetado a 2 de março. Comparativamente com o mesmo mês de 2019, a queda é de 97%, embora aqui deva ser tido em conta o facto de os primeiros meses de 2019 terem sido marcados por um volume de certificações superior, tendo em conta que a “lei da Uber” tinha acabado de entrar em vigor, volume esse que foi estabilizando ao longo do ano passado.

Já no que toca às licenças atribuídas a empresas para explorarem a atividade de transporte privado de passageiros ao serviço de plataformas eletrónicas, a tendência foi semelhante. Em fevereiro foram atribuídas 311 licenças. Em março ainda foram atribuídas 193. Em abril, porém, este número foi de apenas 24, uma queda de 92% face a fevereiro de 2020 e também de 92% face ao período homólogo.

Total de operadores licenciados

Fonte: Instituto da Mobilidade e dos Transportes

Estas evoluções não permitem retirar a conclusão imediata de que há um menor interesse na atividade. A pandemia gerou disrupção em toda a atividade económica e diversos serviços registaram dificuldades no atendimento presencial, o que pode explicar o deslize nos licenciamentos e certificações. Mas os dados ajudam a compreender o efeito da pandemia no setor das plataformas eletrónicas e numa atividade que se tornou praticamente ubíqua nas maiores cidades do país.

Nesta segunda fase de desconfinamento, marcada reabertura dos restaurantes, espera-se que também o transporte privado recupere algum fôlego. É sinal disso, por exemplo, as medidas de segurança que já foram anunciadas pela líder de mercado Uber. Desde segunda-feira que a empresa obriga motoristas e passageiros a usarem máscara de proteção respiratória, tendo mesmo implementado um sistema que obriga os condutores a submeterem uma selfie como prova de que estão a cumprir com essa obrigação.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pandemia pára corrida aos “Ubers”. IMT só certificou 40 motoristas no auge da pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião